“Pai do Portugal contemporâneo” e um “europeísta convicto”: a morte de Soares na imprensa internacional

Desde o "pujante líder socialista" ao "pai do Portugal contemporâneo", a morte de Mário Soares é destaque nos principais jornais mundiais.

A morte de Mário Soares também é manchete em alguns dos principais jornais internacionais. No país vizinho, o antigo Presidente da República é lembrado como o “pai do Portugal contemporâneo” e um “europeísta convicto“. Nos EUA, o New York Times fala no “pujante líder socialista” que liderou Portugal rumo à democracia.

O País

Grande impulsionador das independências das antigas colónias de Portugal

Em Moçambique, a Mário Soares é lembrado como “o grande impulsionador das independências das antigas colónias de Portugal”. “Mário Soares defendia a descolonização, democratização e desenvolvimento das antigas colonias, contra uma corrente do então Presidente português António Spínola, que acreditava na formação da ‘Federação Lusitana'”, escreve o jornal moçambicano O País.

El País

Morre o pai do Portugal contemporâneo

“É impossível compreender o último meio século de Portugal sem Mário Soares”, diz o jornal espanhol El País, que abre o seu site com a morte do ex-presidente da República português. “Noventa e dois anos dão para muito, mais ainda num homem inquieto desde jovem, escritor infatigável (dizia que tinha escrito mais de uma centena de livros), de forte caráter, para aguentar as prisões da ditadura e também para o retardar da deriva comunista revolução dos cravos”, lembra o jornal espanhol.

El Mundo

Um europeísta e republicano convencido

Também o El Mundo dá amplo destaque à morte de Mário Soares. “Europeísta e republicano convicto, Mário Soares também foi um dos maiores críticos da crise nacional e europeia, muito crítico com os líderes internacionais a quem em numerosas ocasiões acusou de “falta de carisma” para defender “os princípios da solidariedade” da construção europeia da qual também foi protagonista”, escrever o jornal espanhol.

 

Folha de S. Paulo

Uma das figuras mais importantes da história recente portuguesa

“Soares foi uma das figuras mais importantes da história recente portuguesa e participou em momentos-chave do país, como a fundação do Partido Socialista de Portugal e o combate ao regime de Salazar, que durou de 1933 a 1974”, escreve um dos principais jornais brasileiros, a Folha de S. Paulo, recordando a “figura controversa entre portugueses”.

Le Monde

Soares, o reformista

No francês Le Monde, é recordada a vida de Mário Soares através de um vídeo. “Mário Soares, o reformista”, titula o artigo daquele jornal. “Mário Soares, ‘um reformista que, desde o início, defendeu democracia orientada para a Europa”. “Figura socialista na luta contra a ditadura de Salazar (…). Ele é considerado o pai da democracia portuguesa, que ajudou a fundar depois da ‘revolução dos cravos’ de 25 de abril de 1974″, diz.

 

Le Figaro

Entrevista visionária há mais de 20 anos

O Le Figaro recupera este sábado uma entrevista com Mário Soares do ano de 1994 e, na perspetiva histórica, o jornal francês deteta alguns momentos visionários do antigo Presidente da República português.

Financial Times

Líder espirituoso, com bom humor irreprimível

No económico Financial Times (acesso pago) sublinha Mário Soares como “o líder socialista espirituoso que habilmente guiou Portugal do regime autoritário para a democracia”, que impediu os comunistas de alcançar poder, “tendo conduzido o seu país à União Europeia, ajudando o seu povo recuperar um senso de confiança perdida sob quase meio século de ditadura miserável”. “Era conhecido por um bom humor irreprimível e entusiasmo pela vida, mas sua carreira política antes da “Revolução dos Cravos” que devolveu Portugal à democracia em 1974 foi dominada pela luta, prisão e deportação”.

BBC

Papel chave em Portugal

“O antigo Presidente Mário Soares — conhecido como o pai da democracia do país — morreu aos 92 anos”, escreve a britânica BBC. “Desempenhou um papel chave depois da Revolução dos Cravos em 1974, após 48 anos de ditadura”, lembra o canal público do Reino Unido no seu site. “Tornou-se em 1976 no primeiro primeiro-ministro eleito democraticamente”, acrescenta.

NY Times

Soares, o pujante líder socialista

“Mário Soares, o pujante líder socialista que guiou a complicada transição de Portugal rumo à democracia na década de 1970, depois de décadas de ditadura, morreu no sábado em Lisboa”, pode ler-se no influente New York Times. “Soares foi um implacável inimigo do governo fascista do primeiro-ministro António de Oliveira Salazar, que governou Portugal há mais de 40 anos. Mais tarde, foi a figura central na política portuguesa após o sucessor de Salazar, Marcello Caetano, ter sido deposto na Revolução dos Cravos de 1974″, escreve ainda o jornal norte-americano.

PUB

Comentários ({{ total }})

“Pai do Portugal contemporâneo” e um “europeísta convicto”: a morte de Soares na imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião