Justiça decreta falência da Citydrive. Valor reclamado pelos credores já vai em 90 mil euros

A Justiça portuguesa decretou a insolvência da Citydrive, a aplicação de carsharing que "desapareceu do mapa" este ano. Credores reclamam 90 mil euros, mas o valor final pode ser superior.

Já foi declarada a insolvência da Citydrive, a aplicação de carsharing que permitia o aluguer de automóveis em Lisboa através de uma aplicação para o smartphone. A sentença foi proferida pelo Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa. Para já, ao que o ECO apurou, é reclamada na Justiça uma dívida próxima dos 90.000 euros, mas o valor poderá ser superior. Os credores têm um mês para reclamarem os seus créditos.

Em meados de abril, o ECO avançou em primeira mão que a Citydrive estava em risco de falência. Em causa, trabalhadores que se queixavam de vários meses de salários não pagos e fornecedores que nunca terão sido remunerados pelos serviços. “Eles desapareceram do mapa. Ficaram a dever a toda a gente”, disse ao ECO, na altura, fonte próxima de uma empresa que trabalhou com a Citydrive na promoção e divulgação do serviço.

“Foi proferida sentença de declaração de insolvência do devedor: Nextmotion, Unipessoal Lda.”, lê-se no anúncio publicado no portal Citius, na sequência de um processo aberto por um ex-trabalhador. A sentença foi proferida a 2 de julho, sendo que a empresa tem 15 dias para apresentar recurso. “O prazo para a reclamação de créditos foi fixado em 30 dias”, acrescenta a nota.

A Nextmotion é a empresa por detrás da Citydrive e, contando com todas as dívidas já reclamadas na Justiça, o valor está nos 86.661,78 euros. Ao ECO, o ex-trabalhador que moveu o processo garante que o valor é superior. Um dos credores é a rent-a-car Globalrent. O administrador da insolvência nomeado é Fernando Bretes, com sede profissional em Queijas.

Como avançou o ECO em abril, a Citydrive era detida em Portugal pela empresa Nextmotion Unipessoal Lda., fundada por João Pernes, que renunciou ao cargo no final de 2016, de acordo com documentos do Ministérios da Justiça. A empresa terá sido adquirida pelo grupo suíço Yo!Car. Através dos atos societários, é possível confirmar que, no mesmo dia em que se dá a saída de João Pernes, entra um novo gerente na empresa: Jason Lee Reid, atual líder da Citydrive em Portugal, que é identificado como “devedor” pelo tribunal de Lisboa.

Num documento em que explicava a sua versão dos factos, um ex-trabalhador, que pediu anonimato, acusou Jason Reid de “desistência” e “desertificação”. Considerava ainda que a empresa foi deixada “ao seu acaso e sorte” e que “inúmeras tentativas de contacto têm sido realizadas para a gerência da empresa e sua administração, mas qualquer tentativa tem sido condenada ao insucesso”. Na altura, o ECO não foi capaz de chegar à fala com Jason Reid nem com outros responsáveis da falida Citydrive.

Enquanto operacional, a Citydrive cobrou 19,90 euros a cada novo utilizador registado e tinha disponíveis vários Opel Adam e Skoda Fabia, mas o serviço já não se encontra disponível desde o início do ano. O custo do serviço era de 29 cêntimos por minuto na primeira hora de utilização e 25 cêntimos por minuto após a primeira hora, até um máximo de 69,90 euros por dia. Segundo fonte familiarizada com a situação da empresa, a Citydrive contava com “mais de 10.000 utilizadores” inscritos na plataforma. Atualmente, o site da companhia também está “suspenso”.

A Deco Proteste tinha uma parceria com a Citydrive, oferecendo descontos no serviço aos assinantes da revista. No entanto, no dia em que o ECO revelou a situação da empresa, a Deco Proteste confirmou o cancelamento dessa parceria e assumiu ter tido conhecimento da existência de “problemas” na empresa.

Comentários ({{ total }})

Justiça decreta falência da Citydrive. Valor reclamado pelos credores já vai em 90 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião