Exclusivo “Uber” da Mercedes vai chegar a Lisboa. E já está a recrutar

Lisboa vai ser a primeira cidade fora de França a receber a Chauffeur Privé. A aplicação é detida pela Daimler e vai concorrer no mesmo mercado da Uber. Procura-se diretor-geral.

A Chauffeur Privé ainda só tem operações em França. Lisboa vai ser a primeira cidade a receber a aplicação fora daquele país, numa altura em que o mercado se prepara para ser regulado.Chauffeur Privé/D.R.

Em breve, a Uber vai ter mais uma aplicação rival em Lisboa. A empresa é francesa, chama-se Chauffeur Privé e está a preparar o arranque das operações na capital portuguesa, apurou o ECO. O plano de expansão ainda está numa fase inicial, tão inicial que a empresa encontra-se à procura de um diretor-geral. Quer recrutar também um diretor de marketing, um diretor operacional e um especialista de operações.

A Chauffeur Privé é bastante popular em Paris, onde assenta a esmagadora maioria das operações. Fundada em 2011, conta já com 18.000 motoristas e 1,5 milhões de clientes. No final do ano passado, a maior parte do capital foi adquirido pela Daimler, a dona da Mercedes-Benz. A ideia é ir reforçando a posição até que a Daimler fique com a totalidade da empresa, o que deverá acontecer até 2019.

Lisboa torna-se, assim, a primeira cidade a receber a Chauffeur Privé fora de França, o país onde nasceu a aplicação. Além de Paris, a aplicação só funciona em Lyon e na Côte d’Azur.

Em Portugal, esta é já a quarta aplicação de transporte privado de passageiros a operar na maior cidade do país, concorrendo com a Cabify e a Taxify, para além da Uber, e sem contar com a portuguesa Chofer, que deixou de operar no final do ano passado, como o ECO noticiou em primeira mão.

Uma fonte do setor disse ao ECO que a empresa poderá iniciar operações em setembro e que, no mercado, deverá posicionar-se entre um serviço simples e um serviço premium — isto é, não presta o serviço básico, mas também não é um serviço de transporte de luxo. Já um motorista deste segmento a trabalhar em Lisboa confirmou ao ECO ter transportado responsáveis internacionais da Chauffeur Privé, que estiveram na capital a experimentar os vários serviços disponíveis. O motorista foi mesmo convidado a reunir-se com a equipa.

Ao que foi possível apurar, a entrada da Chauffeur Privé em Portugal não passa pela Daimler Portugal. A empresa estará, sim, a responder à casa-mãe. A Daimler tem vindo a investir significativamente no segmento das aplicações de transporte privado. É acionista da myTaxi, que funciona à base de táxis e também opera em Portugal. No final de maio, liderou uma ronda de investimento da Taxify no valor de 175 milhões de dólares. O ECO contactou a Chauffeur Privé no sentido de obter um comentário a estas informações. No entanto, ainda não foi possível obter resposta.

À procura de diretor-geral

Não é difícil perceber que a Chauffeur Privé se está a preparar para abraçar Lisboa. No site oficial da empresa, na área do recrutamento, a companhia assume que está à procura de quatro pessoas para preencherem cargos de relevo na nova unidade que deverá passar a operar em Portugal.

Um desses cargos é o de diretor-geral — e, a avaliar pelo site, é uma vaga que ainda está por preencher. “Enquanto diretor-geral, o seu trabalho será o de desenvolver e executar a estratégia de crescimento da Chauffeur Privé em Lisboa. Terá a oportunidade única de escalar a nossa plataforma e fazer crescer a base de utilizadores em Lisboa a partir do zero”, lê-se na página onde se podem submeter as candidaturas. O ECO sabe que a Chauffeur Privé procura ativamente preencher esta vaga e até já sondou responsáveis do setor em Portugal.

Outros postos por preencher são o de diretor operacional, que será a pessoa responsável por garantir o bom desempenho da aplicação em Lisboa e pelo recrutamento de motoristas. Neste campo, a Chauffeur Privé procura também um especialista de operações, que será o “garante da conformidade e integração dos motoristas” na plataforma. A empresa quer recrutar ainda um diretor de marketing, que ficará responsável pela comunicação da empresa em Lisboa, pela “aquisição de clientes” e ainda pela construção da imagem de marca.

Esta nova empresa de transporte surge numa altura em que o Parlamento tem em mãos a tarefa de criar uma regulamentação para esta atividade, após a primeira tentativa falhada que resultou em veto por parte de Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República. Nos termos da proposta de lei, as plataformas como a Chauffeur Privé terão de pagar uma contribuição ao Estado por cada viagem realizada. No site da aplicação, a empresa francesa orgulha-se de pagar 100% dos seus impostos em França.

Comentários ({{ total }})

“Uber” da Mercedes vai chegar a Lisboa. E já está a recrutar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião