As previsões de Bruxelas para Portugal em cinco pontos

  • ECO
  • 8 Novembro 2018

Não há boas notícias para Portugal. Com o abrandamento da Zona Euro, o PIB do país também vai travar, já o défice será o triplo do previsto pelo Governo.

Bruxelas reviu em baixa as estimativas de crescimento para os países europeus. O PIB da Zona Euro vai continuar a crescer, mas a um ritmo inferior, travão a que Portugal não fica indiferente. Vai crescer menos, as exportações vão abrandar, assim como a criação de emprego, enquanto o défice não será tão baixo quanto o previsto pelo Governo.

Conheça em cinco pontos as previsões da Comissão Europeia para Portugal:

Crescimento vai abrandar

Portugal vai crescer 2,2% este ano e não 2,3% como prevê o Executivo e para o próximo ano deverá abrandar para 1,8%, um desempenho quatro décimas abaixo do que o Governo inscreveu na proposta de Orçamento do Estado para 2019.

A Comissão Europeia também reviu em baixa as revisões que ela própria fez: esperava uma evolução de 2% da economia portuguesa em 2019, mas agora espera que seja apenas de 1,8%. E o cenário é ainda mais pessimista para 2020, ano em que a Comissão estima que Portugal cresça 1,7%.

Balança comercial piora

As exportações explicam o abrandamento da economia portuguesa. Do crescimento de 5,5% previsto para este ano, as vendas ao exterior deverão cair para 3,6% em 2020.“A balança externa deteriorou-se, ligeiramente, dadas as exportações de bens mais fracas do que o esperado e a um abrandamento do turismo”, justifica a Comissão Europeia.

Os preços do petróleo também afetaram negativamente os termos de troca e consequentemente a balança comercial. A Comissão Europeia estima que as importações continuem a crescer a um ritmo superior ao das exportações, embora também abrandem. Entre 2018 e 2020, a exportações líquidas deverão ter um contributo líquido negativo para o PIB. Um indicador que se agrava ao longo do período em causa (passará de -0,2% para -0,4%).

Crescimento do emprego mais brando

A Comissão Europeia prevê que a criação de emprego abrande de 2,2% este ano para 0,8% em 2020. Mas a taxa de desemprego essa vai continuar a descer. Deverá ficar 6,3% no próximo ano, em linha com as previsões do Governo. E vai chegar a 5,9% em 2020.

Ao mesmo tempo, a produtividade vai aumentar, tal como os salários dos portugueses em virtude do descongelamento das progressões nas carreiras e de “uma redução da estagnação do mercado de trabalho”.

Inflação continua baixa

Apesar do aumento dos preços da energia, a Comissão Europeia prevê que a inflação se mantenha baixa nos próximos anos. Antecipa, nas previsões de outono, que os preços cresçam 1,5% em 2018 “antes de acelerarem para 1,6% em 2019 e 2020”.

A taxa de inflação subjacente deverá “ficar abaixo da média em 2018, mas a situação deverá inverter-se gradualmente com os preços dos serviços a acelerarem em linha com os desenvolvimentos mais dinâmicos em termos de salários”, refere Bruxelas.

Sobre os preços das casas, que dispararam 11,2% no segundo trimestre, antecipa “um abrandamento do ritmo de crescimento devido ao aumento moderado da oferta”.

Procura interna ajuda défice, mas é muito maior que o previsto

Nas Previsões de Outono, a Comissão Europeia estima que o défice deste ano deverá cair para 0,7% devido ao aumento das receitas fiscais, à queda dos encargos com a dívida e a um investimento inferior ao orçamentado, embora haja o efeito negativo do Novo Banco. “Excluindo este efeito extraordinário, o défice deverá melhorar para 0,3%”, refere.

No entanto, para 2019, a Comissão Europeia não acredita nas contas de Mário Centeno, apresentadas a 15 de outubro, no Orçamento do Estado. Aponta para um défice de 0,6%, ou seja, três vezes superior ao estimado pelo Governo. Só descontando o efeito extraordinário do Novo Banco é que Bruxelas vê os 0,2% de Centeno.

Comentários ({{ total }})

As previsões de Bruxelas para Portugal em cinco pontos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião