Da Google à Amazon, tecnológicas estão a rumar a Portugal. Porquê?

  • Ana Batalha Oliveira
  • 26 Janeiro 2018

A Google é a próxima gigante tecnológica a chegar a Portugal. A Amazon pode estar a caminho. Já cá estão empresas como a Uber, Daimler, Zalando ou Huawei. Porque estão a escolher Portugal?

A Google é mais recente gigante a dizer que vai instalar um hub digital em território nacional, neste caso em Oeiras, mas não está sozinha. Daimler e Uber já aceleraram até Lisboa e segue-se a Zalando ainda este ano. Euronext, Vestas e Fujitsu escolheram o norte do país e a Amazon poderá estar igualmente a caminho. Conheça as multinacionais que elegeram Portugal como o melhor local para desenvolver a sua tecnologia ou instalar serviços e os argumentos.

O Parque Empresarial Lagoas Park, em Oeiras, será a nova morada de um centro tecnológico da Google em Lisboa. O centro de serviços da gigante americana vai ter espaço para 500 novos trabalhadores, a maioria engenheiros, segundo o Governo, que terão como missão servir os fornecedores. “Havia vários países a disputar este investimento da Google. A gigante tecnológica americana escolheu Portugal“, revelou o primeiro-ministro, António Costa, em Davos, na Suíça, no âmbito do Fórum Económico Mundial.

Paddy Cosgrave, o CEO do Web Summit, diz saber de alguns rumores e já veio afirmar: “a Google é só a primeira de outras conhecidas gigantes tecnológicas que vão abrir grandes escritórios em Lisboa”. Bastaram dois dias para se saber que a Amazon está a negociar um espaço no Porto. Espera-se o anúncio oficial ainda no primeiro trimestre deste ano.

Entre as promessas de investimento, há já uma grande confirmação para 2018. A alemã Zalando vem a Lisboa abrir o terceiro centro tecnológico internacional. A plataforma de moda online líder na Europa vai começar por uma comitiva de 50 trabalhadores, mas prevê que este número venha a alargar. Engenheiros especializados em software frontend e backend, product management e design têm as portas abertas.

Fernando Medina e António Costa com Paddy Cosgrave, o fundador do Web Summit, que se tornou a bandeira da tecnologia e do empreendedorismo em Portugal.Web Summit 6 Novembro, 2017

Porquê Portugal?

Quais foram as razões apontadas pela Zalando para escolher terras lusas? Para além dos profissionais, o “ecossistema de startups fervilhante”. Segundo o responsável de parcerias e inovação da marca, as startups são as “melhores aliadas”.

O economista César das Neves, professor na Universidade Católica de Lisboa, acredita que a boa imagem do país, que tem florescido nos últimos tempos, tanto ao nível turístico como de estabilidade económica, tem sido chave para sinalizar Portugal como a opção certa. A isto, acresce a boa localização e o clima. “Somos a Califórnia da Europa“, ilustra o professor, relembrando a preferência que as grandes empresas tecnológicas têm tido por este Estado americano até agora.

“Há umas que estão a crescer, outras a aterrar” diz Paulo Soeiro Carvalho, o diretor-geral de Economia e Inovação da Câmara Municipal de Lisboa ao ECO. Para além dos chamarizes apontados pela Zalando, o autarca destaca ao ECO a facilidade que as empresas têm em encontrar escritórios em Lisboa: “a cidade oferece espaços a preços competitivos e de qualidade”, assegura, embora reconheça que a oferta começa a estar limitada. Assegura que arranjar novas soluções é uma das prioridades do município.

A Zalando é a plataforma de moda online líder na Europa. Lisboa foi a opção escolhida por esta empresa alemã para abrir o terceiro centro tecnológico internacional.

“Uma das opções para acolher estas grandes empresas numa primeira fase são os espaços de cowork, relata o autarca, e avança como exemplo a Mercedes, que, para já trabalha nestas condições e depois passará ao hub criativo do Beato. A fabricante automóvel germânica já está à procura de 100 developers para trabalharem na Mercedes Benz.io Portugal, o recente hub digital da Mercedes em Lisboa.

Este é o primeiro centro de fornecimento de serviços digitais e de soluções globais de software da Daimler, a empresa-mãe da Mercedes, a nível mundial. O foco da marca vai estar no marketing, vendas e serviços. Só existem mais dois centros da Daimler na Europa, um em Estugarda e outro em Berlim, ambos na Alemanha.

Para além da Mercedes, também a Uber decidiu dirigir-se a Portugal, “prego a fundo”. Pouco antes da fabricante alemã, a empresa de transportes norte-americana considerou Lisboa a localização ideal para dar apoio a toda a Europa. Países como Espanha e França terão em Portugal “a principal fonte de conhecimento de utilizadores e motoristas em toda a região europeia”, essencial para “melhorar os seus serviços, políticas e processos internos”, explicou a marca em comunicado.

A Uber preferiu Lisboa a Cairo, Cracóvia, Paris e Limerick.

Para isso, a Uber conta com a ajuda dos 250 colaboradores que quis contratar até ao final do ano passado. Neste caso, Lisboa levou a melhor em relação ao Cairo (Egito), Cracóvia (Polónia), Limerick (Irlanda) e Paris (França).

De Lisboa para o Porto, Braga e Sintra

Mas não é só a capital que põe Portugal no mapa das tecnológicas. A tecnologia que faz mexer os mercados da Euronext foi realocada de Belfast, na Irlanda, para o Porto em março. Portugal tornou-se assim o segundo maior empregador da plataforma, com lugar para 140 colaboradores — França está à frente com 200. Os argumentos a favor? A mão-de-obra — sempre, pela qualidade e valor — o facto de Portugal ser um dos países da Euronext e a influência da Interbolsa, que já tinha escolhido a mesma cidade, comentou o presidente.

A Vestas é a empresa dinamarquesa de energia eólica que quer investir até dez milhões no Porto para fazer girar as suas hélices.

E o vento também levou a Vestas a investir no Porto. A empresa de energia eólica dinamarquesa decidiu fixar na cidade Invicta um centro de investigação, inovação e design para a construção de aerogeradores. São de cinco a dez milhões os euros que vão voar para a cidade até 2020 e criar “algumas centenas” de postos de trabalho, avançou o Diário de Notícias.

Braga tem o centro de competências da japonesa Fujitsu, inaugurado em 2016. No norte, este centro dá emprego a mais de 200 pessoas que, a partir dali, trabalham para empresas de vários setores em mais de 150 países — e prestam assim suporte a 350 mil utilizadores. A Fujitsu é a empresa nipónica que mais colaboradores tem em Portugal, com mais 1.200 ao serviço em Lisboa.

A CGI está em Sintra desde 2017… e nas nuvens. O Cloud Innovation Center é o local de onde vão sair soluções e serviços para toda a Europa, das mãos de 80 engenheiros. Este não é o único centro da CGI no país, mas o primeiro nesta área. “É o segundo centro mais importante da CGI a nível global”, comentou o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, durante a inauguração.

Costa foi à China buscar a Huawei

A Huawei foi uma das novidades que Costa trouxe de uma visita à China. Assinou uma parceria estratégica com a Nos em 2016, com quem chegou a Lisboa de mãos dadas para desenvolver novas soluções “nas áreas de redes e tecnologia”. Juntas, combinaram desenvolver infraestruturas de comunicações, data centers, vídeo e soluções empresariais a partir do país mais ocidental da Europa.

O número de funcionários do Centro de Suporte da Microsoft em Lisboa disparou nos últimos quatro anos.

Já a Microsoft, há muito tempo que viu potencial na capital portuguesa. Há 20 anos que cá construiu o centro de suporte que dá apoio a toda a Europa, Médio Oriente e África. Mas foi nos últimos quatro anos que se viu o grande salto: cresceu mais de 800%, dos 50 para os 350 funcionários, aponta fonte oficial ao ECO. “Só é possível porque o talento existe aqui”, sublinha a empresa. A Microsoft investe cerca de 33 milhões por ano só neste centro.

Comentários ({{ total }})

Da Google à Amazon, tecnológicas estão a rumar a Portugal. Porquê?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião