Contas “low cost” disparam em 2016

Contas de serviços mínimos bancários cresceram 45% em 2016. Um aumento que reflete sobretudo a conversão de antigas contas à ordem.

As chamadas contas bancárias “low cost” cresceram 45% em 2016, para um total de quase 35 mil contas, segundo dados publicados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Foram abertas 12.736 contas de serviços mínimos bancários ao longo do ano passado, uma evolução que reflete a conversão de antigas contas de depósitos à ordem — representou 48% dos casos. Já a abertura de uma nova conta representou 52% das contas “low cost” criadas em 2016.

A informação prestada pelo banco central dá conta ainda do encerramento de mais de 1.800 contas de serviços mínimos, das quais 78% foram encerradas por iniciativa do cliente.

Contas “low cost” disparam em 2016

Fonte: Banco de Portugal

Os serviços mínimos bancários incluem um conjunto de serviços bancários considerados essenciais, nomeadamente a abertura e manutenção de uma conta de depósito à ordem e a disponibilização de cartão de débito a baixo custo, bem como a possibilidade de realizar débitos diretos e transferências intrabancárias nacionais.

As regras estabelecem que qualquer pessoa singular pode aceder aos serviços mínimos bancários se não for titular de uma conta de depósito à ordem ou se detiver uma única conta de depósito à ordem, a qual pode ser convertida numa conta de serviços mínimos bancários.

As instituições de crédito não podem cobrar pelos serviços mínimos bancários comissões, despesas ou outros encargos que, anualmente e no seu conjunto, excedam 1% do salário mínimo nacional. No final de 2016, este valor máximo correspondia a 5,30 euros e atualmente situa-se nos 5,57 euros.

Comentários ({{ total }})

Contas “low cost” disparam em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião