Comissão Europeia aprova uso de medicamento da Bial para epilepsia em crianças

O medicamento da Bial passa agora a estar indicado em todos os países da UE como terapêutica para todos os doentes de epilepsia.

A Comissão Europeia deu luz verde à utilização do Zebinix, medicamento da Bial para epilepsia, por adolescentes e crianças com mais de seis anos, anunciou a farmacêutica portuguesa esta terça-feira.

Com esta aprovação, o medicamento da Bial passa agora a estar indicado em todos os países da União Europeia como terapêutica adjuvante para doentes adultos, adolescentes e crianças com mais de seis anos, com crises epiléticas parciais. A epilepsia afeta 50 milhões de pessoas em todo o mundo e seis milhões só na Europa, sendo detetados 100 mil novos casos todos os anos.

"É sempre um enorme incentivo perceber que o resultado da nossa aposta em investigação e desenvolvimento possibilita que mais pessoas possam beneficiar da nossa inovação.”

António Portela

Presidente executivo da Bial

“Esta aprovação tem como base vários estudos que demonstram a eficácia e segurança deste fármaco, nomeadamente ao nível neurocognitivo (capacidade de concentração, processamento e informação e memória”, refere a Bial, em comunicado enviado às redações.

António Portela, presidente executivo da Bial, sublinha que “é sempre um enorme incentivo perceber que o resultado da nossa aposta em investigação e desenvolvimento, do nosso empenho e do trabalho de toda a nossa equipa possibilita que mais pessoas, neste caso crianças e adolescentes, podem beneficiar da nossa inovação”.

Os produtos da Bial estão, atualmente, disponíveis em 55 países. A farmacêutica canaliza mais de 20% da sua faturação anual (mais de 40 milhões de euros) para investigação e desenvolvimento centrada nas neurociências, no sistema cardiovascular e na imunoterapia alérgica.

PUB

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia aprova uso de medicamento da Bial para epilepsia em crianças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião