Portugal vai emitir 1,25 mil milhões em dívida para voltar a reembolsar FMI

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Gestão da Dívida Pública acaba de marcar um leilão duplo de dívida a cinco e dez anos para a próxima quarta-feira.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Gestão da Dívida Pública (IGCP) acaba de marcar um leilão duplo de dívida a cinco e dez anos para a próxima quarta-feira. Portugal quer obter entre mil milhões e 1.250 milhões de euros para “pagar antecipadamente parte do empréstimo do FMI”.

“O IGCP vai realizar no próximo dia 14 de novembro pelas 10h30 dois leilões das Obrigações do Tesouro com maturidade em 25 de outubro de 2023 e 17 de outubro de 2028, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões“, explica a nota publicada pela entidade liderada por Cristina Casalinho. Com esta operação, o IGCP diz tencionar pagar “antecipadamente parte do empréstimo ao FMI”.

No mês passado, em entrevista ao Jornal Económico (acesso pago), o secretário de Estado Adjunto e das Finanças já tinha admitido um regresso “em breve” aos pagamentos antecipados da dívida contraída junto do instituição de Christine Lagarde. Na ocasião, Ricardo Mourinho Félix avançou que poderia pagar “mais de dois mil milhões de euros ao FMI” ainda este ano.

No último mês, o IGCP realizou um leilão de dívida a dez anos, no qual colocou 782 milhões de euros com uma taxa de juro de juro em 1,939%. Na ocasião, a turbulência política vivida em Itália levou ao agravamento dos custos de financiamento.

No caso da dívida a cinco anos, a última emissão comparável foi a 12 de setembro: Portugal emitiu 328 milhões de euros com uma taxa de juro de 0,647%. Este juro compara com o de 0,746% da emissão comparável anterior, realizada em junho.

(Notícia em atualizada às 13h40).

Comentários ({{ total }})

Portugal vai emitir 1,25 mil milhões em dívida para voltar a reembolsar FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião