Centeno diz que Domingues teve todas as condições

O ministro das Finanças não esclarece se deu garantias a António Domingues de que este não teria de entregar as declarações de rendimento e de património no TC.

“Para que fique claro, o Governo garantiu ou não, em algum momento e de que forma, a António Domingues que ele estaria dispensado da apresentação da famosa declaração de rendimentos?”. Foi a pergunta que os jornalistas do Diário de Notícias e da TSF fizeram ao ministro das Finanças sobre a polémica do último ano na CGD, mas resposta não foi clara.

Mário Centeno limitou-se a dizer: “O Governo garantiu ao dr. António Domingues todas as condições para que o dr. António Domingues pudesse ter um mandato de quatro anos à frente da Caixa com os objetivos para a missão da CGD que o Governo estabeleceu.”

O ministro das Finanças diz ainda que “as discussões com o dr. António Domingues centraram-se, em particular, no campo das remunerações e dos incentivos”. Isso para alinhar as remunerações e os incentivos do banco com os do restante setor bancário, “não só nacional como europeu”.

Ainda sobre a questão da necessidade de entrega ou não das declarações ao Tribunal Constitucional (TC), Mário Centeno diz que houve “entendimentos diversos sobre a legislação e a vida é o que é”.

Acrescenta, em jeito de recado para António Domingues: “Quando estamos à frente de uma instituição da dimensão da CGD ou de outras entidades que mesmo não sendo públicas ou sendo públicas ou privadas têm uma dimensão muito significativa na vida pública nacional, temos de ser capazes de reagir àquilo que são as interpretações que fazem…

Comentários ({{ total }})

Centeno diz que Domingues teve todas as condições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião