Trotinetes, bicicletas, scooters e carros partilhados: quando o telemóvel dá boleia, os lisboetas poupam nos transportes

Os novos serviços da mobilidade partilhada podem ser usados por qualquer pessoa que tenha um smartphone. E para quem vive ou trabalha em Lisboa, representam mais conveniência e também mais poupança.

“Decidi não ter carro em Lisboa. Ter um carro implica estar sempre a pagar”, desabafa José Brízida, 25 anos, adepto de tecnologia e utilizador das novas alternativas de mobilidade partilhada. Nos últimos anos, foram várias as opções que apareceram na capital portuguesa. Desde as scooters da eCooltra às bicicletas da Gira, passando pelos automóveis da Drive Now e da eMov às trotinetes da Lime, as alternativas ao carro próprio e mesmo aos transportes públicos nunca foram tantas. Para muitos, significam viagens mais agradáveis. Para outros, representam uma fuga ao trânsito que assola Lisboa. Há também quem conjugue as várias opções com os autocarros e com o metro. Mas, para praticamente todos, são sinónimo de poupança.

A verdade é que cada vez mais cidadãos, dos que vivem e trabalham nas grandes cidades, estão a pôr de parte a hipótese de ter um carro, optando por enveredar pela economia da partilha. Os dados e as previsões mostram bem a dimensão do fenómeno, que abrangem outros setores para além da mobilidade. De acordo com dados da consultora PwC, obtidos pelo BPI Research, o volume das transações relacionadas com a economia da partilha na Europa alcançou os 20,1 mil milhões de euros em 2015, com as receitas das plataformas a atingirem os 3,6 mil milhões de euros nesse ano. Para 2025, estima-se que as receitas se multipliquem por 20 e se cifrem nos 83 mil milhões de euros, com o volume das transações a atingir os 570 mil milhões de euros.

“Percebi que ter um carro em Lisboa tem custos fixos grandes. Implica pagar estacionamento, os custos de manutenção são elevados e há chatices com o trânsito”, continua José Brízida, enquanto elenca as razões pelas quais passou, recentemente, a usar o serviço da eCooltra “sempre que possível”. “Para além de ser muito rápido diz, “o custo é baixo face a um carro”. A eCooltra é um serviço de scooters elétricas, dispersas por Lisboa, que podem ser usadas por qualquer pessoa que tenha um telemóvel. O serviço base custa 26 cêntimos por minuto, mas é possível adquirir pacotes de minutos a preços mais baixos — por exemplo, 500 minutos custam 94,99 euros, ou seja, 19 cêntimos por minuto, segundo a empresa.

Outra empresa a entrar recentemente em Lisboa foi a Lime, da qual a Uber é acionista. A startup oferece um serviço de trotinetes elétricas, que podem ser desbloqueadas com o telemóvel. A alternativa tem vindo a ganhar grande popularidade noutras grandes cidades estrangeiras. Mas José Brízida comprou uma antes de a Lime entrar em Portugal, para usar nas deslocações mais curtas dentro de Lisboa. A experiência, conta, podia ter sido melhor: “O problema da trotinete é que não é feita para uma utilização diária. É feita para passeios. Comecei a ter custos comecei a ter custos como o dos pneus e com a bateria, por causa da trepidação.” Por isso, opta agora pelos transportes públicos e pelas motas da eCooltra. Garante que faz a diferença na carteira, ainda que não tenha feito as contas. “Acredito que poupo. Nunca fiz as contas, mas acredito que sim”, indica ao ECO.

“Sei que poupo, não sei bem quanto”

Segundo dados do INE, o carro é usado em mais de 56% das deslocações em Lisboa. Mas o vício dos lisboetas pelo automóvel próprio, apesar de se manter, começa a conhecer outras opções. Empresas como a Drive Now (da BMW) e a eMov (da PSA) foram responsáveis por colocarem nas ruas algumas centenas de automóveis elétricos que não têm um dono. À semelhança das trotinetes e das scooters, podem ser usados por qualquer cidadão através de uma aplicação para smartphones. A Drive Now tem um preço base de 29 cêntimos por cada minuto de aluguer, enquanto a eMov custa 21 cêntimos por minuto. Para além do preço, ambos os serviços têm outras características que os distinguem. E podem ser deixados em qualquer espaço de estacionamento em Lisboa, sem pagar parquímetro.

Drive Now foi lançado em Lisboa em agosto de 2017.Paula Nunes / ECO

Miguel Rodrigues, 24 anos, vive fora de Lisboa e tem carro próprio, mas não dispensa a Drive Now a partir do momento em que entra na capital. Deixa o carro num estacionamento gratuito, entra num automóvel partilhado e conduz para o centro de Lisboa. “Já tive problemas com o meu carro ao tê-lo na cidade. Agora, deixo o meu carro numa zona que sei que é segura. Muitas vezes, tiro o Drive Now e deixo o meu carro no mesmo sítio”, explica. Mas não é só o fator da segurança que o motiva a usar o serviço da BMW. “São carros com consumos mais baixos do que o meu. E posso deixar o carro em qualquer sítio. Normalmente, há sempre um Drive Now por perto”, garante.

Para calcular quanto poupa na deslocação diária para o trabalho em Lisboa, Miguel Rodrigues faz contas de cabeça. “O estacionamento custar-me-ia facilmente cinco ou seis euros. Com a Drive Now, gasto três ou quatro euros na viagem, ou cinco se houver mais trânsito. Fica mais em conta”, refere. Já para não falar da manutenção, um custo que não recai sobre o utilizador. “Sei que poupo, não sei bem quanto. Mas fica mais em conta. Acabo por ter uma poupança descomunal”, arrisca dizer.

Igor do Vale, 38 anos, também é utilizador da Drive Now, mas recorre ao serviço em situações diferentes. Tem carro próprio, um Smart ForTwo, mas recorre aos automóveis elétricos da BMW quando precisa de “transportar alguma coisa” ou quando vai sair à noite e quer levar mais algumas pessoas com ele. No entanto, tem algumas reservas em relação ao serviço. “Não deixa de ser uma alternativa dispendiosa, porque há um seguro associado. Deixo o carro, mas fico sempre a pensar, porque se alguém bate no carro e eu fui o último utilizador…”, desabafa, referindo-se à hipótese de poder ser responsabilizado por eventuais danos num automóvel do qual não é dono.

Ainda assim, é um ávido adepto da mobilidade partilhada. E usa as outras alternativas disponíveis, como é o caso da eCooltra e das bicicletas Gira, da EMEL, que se encontram estacionadas em docas espalhadas por muitas zonas da cidade. Tudo somado, Igor do Vale optou por não usar os transportes públicos no dia-a-dia. “Uso as bicicletas da Gira para trajetos até três quilómetros e as motas da eCooltra quando preciso de levar uma caixa, ou uma mochila mais pesada, em trajetos um pouco mais longos”, explica. Em algumas ocasiões, também já recorreu às trotinetes da Lime. E diz que, nos últimos anos, “as pessoas perceberam que havia alternativas de mobilidade em Lisboa”.

Já António Garcia, 45 anos, de Sintra, recorreu “durante ano e meio” aos comboios e à Drive Now para a deslocação diária para o emprego em Lisboa. “Preferia não levar carro próprio, por uma questão de racionalização de custos. Ia de comboio para Lisboa e usava a Drive Now. O carro ficava em qualquer local”, lembra. Para regressar a casa, “deixava o carro perto de uma estação, como a de Sete Rios, e seguia de comboio”, recorda.

[Usando um carro particular], o estacionamento custar-me-ia facilmente cinco ou seis euros. Com a Drive Now, gasto três ou quatro euros na viagem.

Miguel Rodrigues

Utilizador da DriveNow

“Consigo deslocar-me para qualquer sítio”

Das várias pessoas com quem o ECO falou, todas têm a noção de que poupam dinheiro ao fim do mês com as alternativas da mobilidade da partilha. No entanto, nunca fizeram os cálculos a essa poupança. José Justo, 22 anos, que vive na periferia de Lisboa, é uma dessas pessoas: opta pelas aplicações e não sente necessidade em ter um automóvel. “Não tenho veículo próprio, não tenho essa prioridade”, confessa ao ECO, acrescentando que é “uma pessoa que gosta de usar” transportes públicos. “Eu acho que poupo. E consigo deslocar-me perfeitamente para qualquer sítio”, garante, com base na experiência.

É utilizador da Gira, as bicicletas da EMEL. Usa-as no regresso a casa depois de um dia de trabalho, ou quanto tem de se deslocar “entre a Baixa e o Campo Grande, ao fim da tarde ou aos fins de semana”. “Uso bicicleta quando acho que me vai compensar em termos de tempo”, conta. Mas quando o tempo ameaça chuva, prefere optar pelos transportes públicos. Nos últimos meses, têm surgido diversas queixas nas redes sociais relativamente à falta de oferta das bicicletas Gira. O problema é assumido pela EMEL e pela Câmara Municipal de Lisboa, que fala em problemas de gestão do parque de bicicletas e problemas do lado do fornecedor em assegurar o número de bicicletas a que está obrigado por contrato. Existem, atualmente, 400 bicicletas nas 74 estações, ou docas, espalhadas pela capital.

José Justo é um dos utilizadores que confirma o problema. Fala em “imensa falta de bicicletas”, facto que tem posto em causa os planos de quem quer usar o serviço da Gira como alternativa aos automóveis. Mas não é o único. Carlota Rocha, 28 anos, que também é utilizadora, diz, em conversa com o ECO, que tem notado “falta de manutenção” e “de reposição de bicicletas”.

É utilizadora do serviço da Gira, cujo passe anual custa 25 euros, com viagens ilimitadas até 45 minutos até ao final deste ano. A partir de 2019, o custo do serviço rondará os dez cêntimos por cada 45 minutos, ou 20 cêntimos no caso das bicicletas elétricas (o serviço da Gira oferece os dois tipos de bicicletas). Carlota Rocha, para além da poupança, vê no serviço de bicicletas da EMEL uma nova “diversão” na mobilidade em Lisboa. “Como não tenho passe, vou de bicicleta. Acaba por ser uma diversão. Permite haver uma poupança e também faço exercício”, defende.

Como não tenho passe, vou de bicicleta. Acaba por ser uma diversão. Permite haver uma poupança e também faço exercício.

Carlota Rocha

Utilizadora do serviço de bicicletas da Gira

Mas porque não comprar uma bicicleta? Não fica mais em conta? Francisco Vieira, 30 anos, utilizador da Gira e da eCooltra, não precisa de fazer grandes cálculos para concluir que todos os veículos próprios “têm um preço de entrada muito maior” do que os novos serviços da economia da partilha. “Com a Gira, paguei 25 euros e nada mais. Não há custos de manutenção associados”, refere. No entanto, optou por não deixar de pagar o passe dos transportes públicos de Lisboa (Navegante Urbano), que custa 36,70 euros e dá acesso à rede de autocarros, metropolitano e comboios CP suburbanos. Contas feitas, não poupa, porque as aplicações são “custos extra”. “Mas a minha mobilidade aumentou de forma exponencial”, garante.

Francisco Vieira acaba por fazer uma utilização regular das bicicletas da Gira (e também confessa que “o serviço está cada vez mais degradado). Com uma estação perto de casa, vai de bicicleta para um local que fica a 20 minutos do trabalho e faz o resto do percurso de autocarro. Em dias de maior stress, em que o tempo escasseia, opta por uma scooter elétrica da eCooltra: “Uso, basicamente, para fazer viagens mais rápidas e confortáveis, ou se estiver atrasado e em cima da hora. Acaba por ser o meio de transporte mais rápido que tenho em Lisboa.”

Tal como Francisco Vieira, Pedro Rebelo Pereira, 25 anos, também é utilizador das bicicletas Gira e das motas da eCooltra. Tem agora “carro próprio”, pelo que já não é “um utilizador muito frequente”. Ainda assim, não deixa de contar a experiência que teve no último verão, quando deixou todos os transportes e usou apenas o serviço da eCooltra “durante um mês inteiro”. “O máximo que gastei foram 40 euros. É como um passe de transportes públicos, mas a experiência é mais divertida e consegui deslocar-me de forma mais rápida”, recorda. Além disso, “para curtas distâncias”, este serviço “é mais barato do que um táxi”. E se é mais barato, isso revela poupança. Atualmente, para além do automóvel particular, voltou a subscrever o passe dos transportes públicos da cidade. O segredo para poupar, conta, é fazer “uma combinação muito grande” das diferentes alternativas.

Comentários ({{ total }})

Trotinetes, bicicletas, scooters e carros partilhados: quando o telemóvel dá boleia, os lisboetas poupam nos transportes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião