Direto PSD pressiona: “Afinal, quer ou não liquidar o Novo Banco?”

Os partidos da esquerda pressionam o Governo para que o Novo Banco seja nacionalizado. Acompanhe aqui o debate na Assembleia da República.

Já arrancou o debate de atualidade desta quinta-feira. No Parlamento, os deputados discutem as soluções para o Novo Banco, numa altura em que, da esquerda à direita, cada vez mais figuras de destaque defendem a nacionalização do banco que resultou da resolução do Banco Espírito Santo.

Acompanhe aqui, ao minuto, o debate de atualidade sobre o Novo Banco na Assembleia da República.

Momentos-Chave

12 Janeiro, 201716:15

Acabou o primeiro ponto do debate da atualidade sobre as soluções para o Novo Banco. Isto numa altura em que mais figuras de destaque, da esquerda à direita, defendem a nacionalização do banco que resultou da resolução do Banco Espírito Santo.

Rita Atalaia
12 Janeiro, 201716:12

Mariana Mortágua diz que “tanto o PSD como o CDS sabiam que os 3,9 mil milhões que estavam injetados no Novo Banco eram dinheiro público”. E questiona: “Já que pagamos, queremos controlar o banco ou vendê-lo a um fundo abutre?”

Rita Atalaia
12 Janeiro, 201716:08

João Almeida diz que “os portugueses têm memória e sabem que o PS já vendeu e nacionalizou”. O deputado do CDS-PP diz que quando o Governo vendeu o Banif, fez um favor ao Santander e, quando nacionalizou o BPN, prejudicou os contribuintes.

Rita Atalaia
12 Janeiro, 201716:06

O deputado do PCP Miguel Tiago responde a Marco António Costa, do PSD, dizendo que “aventura ruinosa” foi terem colocado dinheiro dos contribuintes no Banco Espírito Santo e dizerem aos portugueses que não iam pagar.

Já o deputado do PSD diz que o Estado emprestou ao Fundo de Resolução com o objetivo de recuperar o dinheiro com juros. “Cabe aos senhores a responsabilidade de resolver esta questão e de evitar que este dinheiro se perca”, defende.

Rita Atalaia
12 Janeiro, 201716:01
A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua diz que o PSD e CDS têm responsabilidades no caso Novo Banco. “O banco já está no setor público, já tem 3,9 mil milhões dos contribuintes, colocados pelo PSD e CDS”, diz a deputada.
Mariana Mortágua coloca ainda uma série de questões: “Porque é que na altura o Banco de Portugal diz ter feito uma avaliação dos ativos e agora falta dinheiro? Que gestão foi feita? Porque reconduziram Carlos Costa à frente do Banco de Portugal?”
“Cabe o Estado a responsabilidade de defender o país”, defende. Mas como? Através de uma nacionalização, refere a deputada no Parlamento. Mariana Mortágua já tinha expressado esta posição, defendo uma nacionalização definitiva do Novo Banco, para garantir “o controlo público permanente do banco”.
Rafaela Burd Relvas
12 Janeiro, 201715:53

Marco António Costa questiona o PS: “Sabe o que prejudica o banco? O que prejudica o banco é o ministro das Finanças ter vindo dizer que admitia a liquidação do banco. Isso é que prejudica o valor do banco. Afinal quer ou não liquidar?”

O deputado do PSD acusa o PS de estar a destruir um banco essencial à economia, falando da Caixa Geral de Depósitos.
Rita Atalaia
12 Janeiro, 201715:49

João Galamba: “Faremos aquilo que for melhor para o Novo Banco”

O deputado do PSD diz que “para o PSD e CDS dizer a um comprador de um banco que venderemos a qualquer preço porque nem concebemos uma alternativa — porque a nacionalização é um desastre — é uma teoria esdrúxula”.

A posição de princípio do PS é a defesa dos interesses do Estado e dos contribuintes, realça João Galamba. “Faremos aquilo que for melhor para o Novo Banco”, independentemente de ser uma venda ou uma nacionalização, diz o deputado do PS. Tudo depende das propostas e dos compradores, acrescenta.

“A venda também pode ter custos para os contribuintes”, defende Galamba, depois de ter dito que a nacionalização é a opção que menos penaliza os contribuintes.

Rita Atalaia
12 Janeiro, 201715:41

João Almeida: “Não alinhamos na estratégia suicida do PS”

O deputado do CDS-PP salienta que o “setor financeiro é demasiado importante para ser deixado ao sabor do complexo ideológico”. João Almeida refere que temos “ouvido falar do Novo Banco, mas temos ouvido pouco sobre qual será a melhor solução para os contribuintes”.
João Almeida diz que “não alinhamos nesta estratégia suicida do PS. Se o PS escolheu manter o processo de venda, que se analisem as propostas, se escolha melhor para o país e se concretize o processo”.
Rita Atalaia
12 Janeiro, 201715:37

José Luís Ferreira: “Saída limpa está cada vez mais poluída”

O deputado do PEV diz que o “Novo Banco não pode seguir o mesmo caminho do BPN, onde o contribuinte acabou por pagar ao comprador. Quando o contribuinte paga ao comprador, algo está mal”.
José Luís Ferreira diz que a “saída limpa está cada vez mais poluída”, defendendo a nacionalização do Novo Banco para “afastar os fundos abutre”.
O Estado não pode andar a suportar negócios privados, porque põe em risco o dinheiro dos contribuintes, diz o deputado. Ou seja, a solução deverá passar pela manutenção do banco na esfera pública, defende.
Rita Atalaia
12 Janeiro, 201715:33

Marco António Costa: Nacionalização “seria um paradoxo”

O deputado do PSD diz que “ainda o país não se refez do episódio da Caixa Geral de Depósitos e o Novo Banco entra na berlinda mediática para disfarçar o que aconteceu na Caixa”.
Marco António Costa refere ainda que seria um “seria um paradoxo o Governo querer mais um banco público quando trata de forma tão desastrada um que já é seu”, falando da CGD. No entanto, nos últimos dias “a narrativa” aponta para a nacionalização, acrescenta o deputado do PSD.
O deputado diz ainda que o PSD estará presente para “fiscalizar tudo o que o Governo pretende fazer”. “Não contem connosco para aventuras ruinosas.”
Rita Atalaia
12 Janeiro, 201715:32
PCP: “Torna-se claro que tem de se manter o Novo Banco na esfera pública”
O PCP está contra a venda do Novo Banco. Não quer uma privatização, defende que deve nacionalizar-se o Novo Banco, mas não de forma temporária. Deve ser uma nacionalização permanente para se ficar com o banco ao serviço de todos.
“Torna-se mais claro que se deve manter o Novo Banco na esfera pública”, diz Miguel Tiago. Mas “não se deve proceder a uma falsa nacionalização”, refere no debate na Assembleia da República.
“Nacionalizar temporariamente não é mais do que assumir prejuízos passados e entregar os lucros futuros” a privados, nota, salientando que deve manter-se banco na esfera pública.
“A integração do Novo Banco implica uma avaliação ponderada dos activos tóxicos. É uma solução que tem de ser decidida de forma soberana”, refere.
Esta “solução que contribui para o sistema público fortalecido”, remata. “Se já pagamos o banco, que fiquemos com ele para proveito de todos, conclui.
Paulo Moutinho
12 Janeiro, 201715:26

Mariana Mortágua: “A única solução que protege o banco é a nacionalização”

No debate, a deputada do Bloco de Esquerda diz que “se o Novo Banco for vendido, praticamente 70% da banca de relevo fica em mãos estrangeiras. E se a venda é uma ideia perigosa, o que dizer da sua entrega a fundos ‘abutres‘”, referindo-se ao principal candidato à compra do banco liderado por António Ramalho, o Lone Star.

A deputada bloquista continua, dizendo que “sabemos bem o modus operandis destas empresas”. Mariana Mortágua diz que “querem
desmontar a carcaça destes bancos,
sem falar dos trabalhadores que
têm sofrido na pele o duro percurso do Novo Banco”.

“A única solução que protege que o banco é a nacionalização”, defende a deputada.

Rita Atalaia
PUB

Comentários ({{ total }})

PSD pressiona: “Afinal, quer ou não liquidar o Novo Banco?”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião