Simon Schaefer: “O governo está contaminado com o vírus startup. Isso é incrível”

A estratégia nacional para o empreendedorismo deve passar por ver como se faz e arriscar, garante o alemão Simon Schaefer, a escolha do Governo para liderar o projeto.

Um estrangeiro. O Governo escolheu um alemão para liderar o programa Startup Portugal, a estratégia nacional para o empreendedorismo. Simon Schaefer tem 38 anos e aterrou pela segunda vez em Lisboa há uma semana. Na bagagem traz a mulher, um filho de quatro meses e uma série de objetivos específicos na agenda. Incluindo encontrar uma casa na capital portuguesa.

Um alemão à frente da estratégia nacional para o empreendedorismo. Para quem nunca ouviu falar de Simon Schaefer, como se identificaria?

Eu não estudei. A história é muito engraçada: tanto o meu pai como a minha mãe são professores universitários, as minhas duas irmãs estudaram em Oxford, o que faz com que a casa de onde venho tenha um enorme sustento em termos de conhecimento e ensino. Mas eu estava muito frustrado na escola, divertia-me muito mais a fazer outras coisas e, quando entrei entrei para a universidade, inscrevi-me em tecnologias da informação, entrei na assembleia geral onde estavam a escolher o representante dos alunos e senti imediatamente que não queria estar ali. Virei costas, olhei para trás e nunca mais voltei. Em 1997 fundei a minha própria agência com um sócio que era meu amigo.

Como olhava para essa vontade?

Nada de escola, diretamente para os negócios. Nessa altura estava muito interessado no ecossistema empreendedor em Berlim, muito dinâmico entre 95 e provavelmente até 2001. A maioria dos estudantes de negócios queriam fundar empresas, toda a gente criava um powerpoint e tentava captar investimento. E usavam a nossa empresa para os ajudar a construir o produto. As agências interativas são melhores para conseguir acordos. Eu era o diretor de arte, designer, o que lhe quiser chamar, e o meu sócio programava. Começámos a oferecer ao mercado um conceito interativo para fazer coisas novas. Ganhámos um prémio muito rapidamente porque fizemos uma coisa muito engraçada e, na sequência desse trabalho, ganhámos um grande cliente suíço. Era uma grande oportunidade, mas as coisas não correram muito bem e, em 2008, tudo caiu. Perdemos o grande cliente, tivemos que despedir gente, éramos 40 pessoas e tivemos de fechar a empresa.

Foi difícil parar e recomeçar?

Em Berlim sim, mas eu saí de Berlim para trabalhar numa empresa grande em Munique, por algum tempo. Tive algumas experiências lá, nessa altura. A pessoa para quem eu trabalhava no princípio era um empreendedor louco, investia em muitas coisas… tecnologia, imobiliário. E eu era o homem que tratava da internet, levava a internet para esses negócios. Com um sucesso médio, eu diria: eles mantêm o logo — que fiz — até hoje. Comecei como web designer, tive as minhas primeiras grandes responsabilidades quando tinha 26 anos, deixei o trabalho quando a empresa começou a ser maior e o dono começou a fazer muito dinheiro. Nessa altura, foi para a Suíça, constituiu um fundo de investimento e eu fazia parte da equipa. Mas fiquei tão aborrecido que decidi começar a minha própria empresa.

Voltei a Berlim, comecei a minha startup, uma empresa que criou um software as a service para o mercado imobiliário e que me levou a começar a trabalhar com agências de real estate. Desenvolvemos um software, ele ainda existe, e um dos meus primeiros investidores desse software veio ter comigo e disse: estou a construir um portfólio de investimentos e quero que faças parte da minha lista de investidores. Com ele e com mais duas pessoas, tornei-me investidor de startups de Berlim, todas em estádios de desenvolvimento muito precoces, em seed stage.

O que aprendeu de mais importante nessa altura?

Investimos em cerca de 45 empresas, cometemos muitos erros, muitas coisas não correram bem mas algumas coisas que fizemos correram muito bem. E, por isso, conseguimos fazer dinheiro com eles. E uma das coisas importantes que aprendemos foi a pô-las todos juntos no mesmo edifício para conseguirem aprender coisas uns com os outros.

Uma espécie de incubadora?

Se olharmos para a incubação e a aceleração, são realidades muito peculiares. A incubação é termos uma ideia, construirmos a equipa e ajudarmos a construir o projeto. Na aceleração trata-se de ter a equipa e a ideia e fazer isso melhor. Em 2011, em Berlim, em cada esquina havia uma incubadora e uma aceleradora. A Coca-Cola tinha uma, toda a gente tinha algum dos dois.

Não vão para as ilhas caimão e compram um iate. Eles pegam no dinheiro e reinvestem para darem de volta o que receberam.

Um pouco o que acontece em Portugal, em 2016...

Há muitos paralelos entre Lisboa e Berlim mas, nessa altura, e se olharmos para os conhecimentos partilhados entre empreendedores, VC, advogados, há muita coisa que é preciso saber do ecossistema para que ele funcione bem. A importância fundamental do pitch, por exemplo. O dia do pitch perfeito, são coisas que se aprendem a ver outros a fazer, e fazendo muitos pitch. As incubadoras que eu vi e a mentoria que estava disponível nesses locais, às vezes, eram duvidosas. Por exemplo, se conseguias enviar um press release bem feito e com resultados para uma startup, tornas-te mentor. E eu discordo disso. Em Berlim não tínhamos empreendedores de 3ª ou 4ª viagem, a minha lógica foi juntar os empreendedores e empresários com experiência com pequenas empresas que estavam a começar, para as sinergias acontecerem por si. O meu pensamento foi juntar as melhores pessoas a gerir e a levar para a frente uma empresa numa sala com outras que estavam a começar. Há coisas que só podemos aprender com pessoas que já as fizeram.

Escolhemos as melhores pessoas no mundo para ensinar os que estão a começar as melhores dicas para gerir um negócio. Se uma pessoa tem sucesso numa empresa, ela sabe exatamente como fazer um pitch, que investidores escolher, como eleger a equipa: há coisas que só se aprendem de outros que o fizeram antes. A ideia foi encontrar as melhores pessoas das melhores empresas em Berlim e pô-las num edifício onde também estivessem pequenas empresas e empreendedores, e a dinâmica funcionaria por si só. Foi nessa altura que criámos a Factory, e funcionou muito bem. Abrimos em 2011 o primeiro, em abril de 2015 abrimos outro e vamos abrir uma em Portugal, ainda sem data marcada.

Como funciona exatamente?

Não estamos a dar nada senão acesso: eu não posso assegurar que tu aprendes, mas posso ir buscar parcerias a três interfaces — política, académicos e indústria. Levamos todas essas dimensões muito a sério. E é na parte política em que eu sou provavelmente mais ativo. Falei no Parlamento Europeu, um bocadinho aquilo que o Paddy tem tentado fazer agora, sobre as sinergias entre empreendedores e políticos. Fizemos duas conferências, muitas pessoas e muitas reuniões de backstage, para discutir como podemos inovar, tentar melhorar as coisas. O lado político das coisas é extremamente importante. E, na maior parte das vezes, os empreendedores não têm o tempo para se relacionarem com o lado político, na maioria das vezes os políticos veem-nos apenas como outro negócio qualquer, e isso é muito difícil de compreender, essa diferença. Como é que fazemos melhores regras e pensamos em melhores políticas para empreendedores? Depois apareceu o João…

Como surgiu o convite?

Conheci o João Vasconcelos [secretário de Estado da Indústria] em 2015, quando vim a Portugal à procura de localização para a Factory, e foi o Felix que mo apresentou. Ele estava ainda na Startup Lisboa, e foi como é, cheio de energia. Disse-me ‘podemos fazer isto, podemos fazer aquilo, vamos fazer tudo’. Cedo, este ano, acho que no início do verão, perguntou-me se eu tinha tempo para falar, contou-me os planos do Governo para as startups, o programa da Startup Portugal, e eu fiquei imediatamente com curiosidade.

Acho que não teve nada a ver com o facto de eu ser alemão mas provavelmente com o facto de não ser português. Não penso que a escolha tenha malícia, o João sabe que pode fazer tudo com a equipa a nível interno mas quer ir cada vez mais para fora. Quer construir pontes com a Comissão Europeia, estar na linha da frente da Europa e do Mundo em matéria de legislação para startups. Eu também acho que tem tudo a ver com a mentalidade dos portugueses. Não era preciso ser um português, não importa se era alemão ou de outro país qualquer, importa que seja a pessoa para o lugar, tenha as características suficientes para ser bem-sucedido nem que seja uma ou duas vezes. Eu sou alemão mas a minha escolha não tem nada a ver com o facto de eu ser alemão. É uma oportunidade única, até porque é difícil errar porque os empreendedores vão fazê-lo bem. Confio nisso. Não é um risco particularmente baixo para mim, pessoalmente, nem para o João. Mas para o empreendedorismo sim: há tanta gente com vontade de fazer coisas, muitas delas querem mudar o mundo. Essa é a melhor coisa que se pode ter. E quando António Costa integrou o Governo, e quando percebi como é que ele tinha mudado o Intendente, e depois de perceber quais os motivos do João… o governo está contaminado com o vírus startup, e isso é incrível.

Simon Schaefer, CEO da Startup Portugal.
Simon Schaefer, CEO da Startup Portugal.D.R.
Isso quer dizer que o mais difícil está feito?

Na Alemanha eu tinha tantas ideias para a legislação em prol dos empreendedores, mas lá as coisas estão tão estruturadas… É tão perfeito da maneira que é que é difícil inovar nessa área. Trabalhar com a União Europeia e perceber o que se passava, que não era um sistema tão perfeito, deu-me a oportunidade de olhar para as coisas e ver oportunidades. Quando surgiu o convite, não hesitei. Sabendo que posso conciliar com o Factory e com o evento Founders, e perceber que Portugal está agora numa posição de experimentar novas coisas, essa é a combinação perfeita. Disse que claro que alinhava. De caras. Era uma oferta que eu não podia recusar.

O que se passa em Portugal é muito mais semelhante ao que se passa em Telavive: um país pequeno com um mercado bastante pequeno, e que precisa imediatamente de ir para fora para crescer.

Simon Schaefer
Quais são as principais diferenças entre os empreendedores portugueses e os alemães?

Há enormes diferenças. É muito estranho. Mas dizer que Lisboa é a nova Berlim é a pior maneira de pôr as coisas. Estamos até a fazer uma campanha contra. Acho que o que temos a ver em relação à Alemanha é que a geração dos nossos pais era muito focada na segurança pós-Guerra. É uma espécie de experiência muito intensa e, por muito tempo, era importante ter um trabalho estável porque te dava estabilidade, acesso ao crédito, possibilidade de comprar uma casa e de ter uma família. O empreendedorismo é o oposto. Empreendedorismo é lidar com o risco, tentar e falhar. Isso não é muito alemão — como disse, as minhas irmãs foram para Oxford e eu não fui a lado nenhum, tornei-me empreendedor. E isso não é muito alemão da minha parte. Penso que uma das principais características que temos em Portugal é um total fascínio pelo mercado internacional, há muita coisa que foi inventada em Portugal e que foi o início da globalização. Isso está na cultura e na mentalidade das pessoas que eu conheci. Ao mesmo tempo, muitas pessoas dizem: és capaz de parar de pensar no passado e projetar o futuro? Mas é algo que faz parte da transição para uma forte postura empreendedora.

‘Esquece o passado, o passado não nos correu bem. Vamos pensar no futuro’, dizem-me. Esse é o melhor objetivo que se pode ter. Acho que há muito poucos paralelismos entre os dois países. E, se os há, o que se passa em Portugal é muito mais semelhante ao que se passa em Telavive: um país pequeno com um mercado bastante pequeno, e que precisa imediatamente de ir para fora para crescer. Sair é imprescindível para qualquer empresa que queira crescer. Se procurarmos as semelhanças entre os pequenos ecossistemas, e agora que temos o Governo pronto para se focar realmente no empreendedorismo e startups, temos as condições essenciais. Está a acontecer na Bulgária, em Viena, em Lisboa, no Porto, um pouco por todo o mundo. Vai acontecer em Moçambique também, só que aqui temos melhores parâmetros e já temos todos os componentes. Só nos falta saber se as iniciativas irão facilitar a vida aos empreendedores, mas esse é também o meu papel.

Há tanta gente com vontade de fazer coisas, muitas delas querem mudar o mundo. Essa é a melhor coisa que se pode ter.

Simon Schaefer

 

Quais são as suas principais prioridades na Startup Portugal?

Acho que há dois tipos de questões: o que vem de dentro e o que vem de fora. De dentro, as coisas que foram mal feitas nos ecossistemas e que foram frequentemente relacionadas com os políticos e com as políticas que não foram à procura de respostas nos empreendedores. Isso será a minha primeira opção, porque não seria apenas falta de comunicação mas de ambição verdadeira. Como se, por estamos num startup hype os governos quererem fazer qualquer coisa pelas startups. Mas isso não é genuíno.

Ao mesmo tempo, há por exemplo leis na Alemanha que atuam contra as startups mas nunca se tinha percebido isso até ao momento em que alguém alertou. Eu estive nos dois lados, trabalhei ao lado de políticos nos últimos cinco anos e sou fundador, eu mesmo. Não estou a dizer que sei tudo, preciso de questionar os founders sobre o que precisam, que necessidades têm.

Da perspetiva de fora, trata-se de perceber que oportunidade é esta de estar aqui, perceber o que podemos fazer para sincronizar e ligar-nos com o exterior. Em Itália, por exemplo, o governo definiu o que é uma startup legalmente. Com leis, para criar uma entidade especial. É algo inovador, que eu propus na Alemanha mas que não chegou a acontecer. Uma startup não é necessariamente uma empresa, é uma empresa depois de uma ronda Series A mas não antes. Antes disso é uma tentativa académica de obter financiamento. Quando se funda uma empresa, todas as entidades querem que tenha sucesso. Os bancos, os investidores, eles mesmos. Mas a verdade é que 9 em cada 10 falham. Então temos muitas empresas na Alemanha que deixam de ter capacidade para funcionar como empresas. É preciso encontrar uma solução que seja mais adequada às startups. Porque, em muitos casos, tratando as startups como empresas comuns, estamos a impedir que muitos se tornem empreendedores. Isto é um problema na Alemanha, não sei se em Portugal existe.

"Tratando as startups como empresas comuns, estamos a impedir que muitos se tornem empreendedores.”

Simon Schaefer

Há muitas coisas destas que são proibitivas quando se trata de startups. Vi muitos destes na Alemanha, discuti estes problemas com algumas das mais importantes associações de economia, é ótimo termos o potencial de construir pontes entre todas estas iniciativa, e assegurar que o que podemos fazer aqui. Quero que Portugal esteja na linha da frente do que existe em inovação na política. Digo sempre que a política devia ser desenvolvimento, devia estar na linha da frente, ser medida com parâmetros. Se uma empresa tem x anos, e y empregados, então é este tipo de empresa.

O terceiro ponto é perceber que não é só sobre tech nem sobre startups, mas sobre empreendedorismo. Acredito mesmo que uma empresa que, no futuro, não tenha uma relação com tecnologia, internet, redes, empreendedorismo, não existirá. Há uma parte muito importante do ecossistema que tem a ver com tecnologia, os empreendedores tech têm um crescimento muito rápido, financiamento rápido e falhanço rápido. E, ainda que começar um negócio possa não ter nada de tecnológico, esse negócio vai usar tecnologia. A Startup Portugal tem de ter muito em conta estas empresas tecnológicas mas é muito mais uma questão de empreendedorismo,

O João sabe exatamente o que quer mas também me pediu para vir porque sabe o que eu quero, porque estive a trabalhar com muitas empresas grandes, tanto internacionais como na Alemanha, e com as quais tenho mediado o interface.

Como vê Portugal?

Primeiro, as primeiras coisas. Não é só sol e beleza. Isso é tão chato, há em todo o lado. Podemos ir para muitos sítios do mundo para descobrir isso. Acho que a questão é construir a ponte. Há um pitch sobre a Alemanha, sobre Berlim enquanto startup, em que explicam que durante alguns anos o problema de Berlim foi ter um mau CEO. E, tal como a história da Alemanha fez do país o que ele é, também a de Portugal. Globalização, Descobrimentos, tudo isto a mexer, a fazer avançar. E é muito parecido com os tempos que vivemos agora. É uma era de descoberta tecnológica, de indústria 4.0. Antes tudo demorava muito a ser construído. Agora, ninguém precisa de dinheiro para construir nada. É daquelas alturas em que qualquer pessoa pode participar e Portugal tem isso no DNA, diretamente. Realmente acredito que, se acontece em qualquer lado, não há razão nenhuma para não acontecer também em Portugal. Portugal tem isso no DNA.

Isso quer dizer que qualquer pessoa pode ser empreendedor?

Sim, sim. Claro. Na verdade, as pessoas que eu vejo como empreendedores bem-sucedidos e nenhum deles quis sempre empreendedores. O fundador da Soundcloud era DJ, a razão pela qual ele começou a criar a startup foi porque era DJ. O que é muito importante perceber é que se uma pessoa é capaz de programar a xbox ou a playstation, se sabes como usar o Facebook, tens todos os ingredientes para começar um Facebook. E depois é uma questão de motivos. Nem toda a gente quer ser empreendedor, mas qualquer pessoa poderia ser. Tem a ver com alguma coisa em que se acredita muito, talvez na possibilidade de mudar o mundo, se és capaz ou tens um pouco de conhecimento, se consegues motivar pessoas, se tens softskills, se podes pôr pessoas diferentes numa sala e fazê-las ficarem ansiosas com uma ideia, tens muitas condições para ser empreendedor.

É uma questão de role model: se mostrarmos às pessoas que elas podem tentar, o risco da experiência reduz-se. Tenho uma história interessante, nos escritórios do SoundCloud. É a partir daí que se retira a parte do mistério: mostrar às pessoas — e mostrar-lhes explicando, fazendo-as compreender — e tirando a mística do ‘eu não conseguiria porque é muito difícil’. Era difícil há 10 anos, agora não. As pessoas constroem carros agora que os alemães pesquisaram durante 100 anos, e isso acontece porque agora os instrumentos para fazer coisas estão nas nossas impressões digitais. Antes eram necessários vários profissionais para construir um site, agora podes tirar a frustração de tentar e não conseguir, fornecendo as ferramentas. As ferramentas estão disponíveis.

Em Portugal?

Sim. As pessoas querem estar rodeadas de outras que sejam inovadoras, que as inspirem, e num ambiente que contagie o trabalho. É o que se está a fazer em muitas empresas. E eles querem estar presentes em muitos eventos de empreendedorismo porque encontram lá as melhores pessoas do mundo. Toda a gente, um pouco por todo o mundo, olha para o mundo de empreendedorismo como o santo graal de como vamos trabalhar no futuro. Porque é que não o queremos fazer? Porque não queremos juntar-nos? O que te para quando queres sentar-te com dois amigos para construir uma app? É o momentum, o momentum vai nessa direção. E o que devemos fazer é, se não és ainda um empreendedor mas se consideras sê-lo, se estás a pensar nisso, acho que o que precisas é de um pouco de apoio por parte do ecossistema, nisso a Startup Portugal pode ajudar, mas é sobretudo uma questão das pessoas que conheces, de networking, tens de conhecer outros fundadores, saber o que fazem agora e o que estavam a fazer há 10 anos. É mais um caminho humano, do que as pessoas fazem, do que propriamente uma valência técnica ou que se aprende na escola.

Se olharmos para a estratégia de investimento da Google, por exemplo, estão a investir em tudo o que eles acham inovador, porque nem eles sabem o que vem a seguir. Ninguém sabe qual é a camada seguinte, o que aí vem: é uma questão de pegar no navio e pô-lo a navegar sem saber bem onde vai. Todas estas grandes empresas de tecnologia podem ser surpreendidas por startups inovadoras, e acho que é um fenómeno contemporâneo o que acontece em Silicon Valley. Muitas destas inovações vêm na sequência da II Guerra Mundial, numa altura em que Standford incentiva os alunos e os professores a construir empresas. É uma espécie de DNA de SIlicon Valey que vem diretamente da parte militar. Se olharmos, muita coisa foi planeada naquela zona geográfica durante muito tempo, nada aconteceu por magia. É apenas uma consequência da concentração de talento. A inovação pode ir a qualquer lado, temos o poder da chegada do homem à lua vezes dez dentro do nosso bolso, todos os dias. Se isso é verdade, e se é verdade esta disponibilidade da tecnologia, não há razão para a inovação não estar no topo de tudo o que existe no mundo. Eu acredito que daqui a 50 anos vamos estar a olhar para um fenómeno contemporâneo e para inovação estar a acontecer surpreendentemente em qualquer parte do mundo. Por que não aqui?

"Toda a gente, um pouco por todo o mundo, olha para o mundo de empreendedorismo como o Santo Graal de como vamos trabalhar no futuro. ”

Simon Schaefer
Qual é a importância de haver uma estratégia para o empreendedorismo?

Se olharmos para o que eles começaram com a Startup Portugal, penso que o que se vê é que há diferentes fases dentro do ecossistema para onde olhar. Às vezes há empresas a começar, outras há IPO e vendem-se negócios. E cada um desses estádios de desenvolvimento precisam de um apoio específico. O que estamos a tentar fazer é criar um ciclo que se repete, de gente que cria negócios, gera negócios, e investe noutros. E que, num certo ponto, deixa de precisar da ajuda do Governo. Para termos um ecossistema auto-sustentável que possa competir com os grandes players e nas grandes economias do mundo, precisamos de uma estratégia para chegar lá. E o simples facto de estarmos a gastar dinheiro nisso — coisa que os Governos fazem às vezes –, pode não ajudar grande coisa. A estratégia precisa de ser muito diferente, dependendo dos estádios de desenvolvimento. Não é só uma questão de fundadores e empreendedores: é também a indústria, as universidades, a política. Acho que uma coisa que podemos fazer é garantir que as medidas tomadas são a favor e não contra os empreendedores.

Isto foi uma coisa que ajudou muito Berlim, pôr pessoas a falar e criar coisas em que as pessoas pudessem inspirar-se. Se olharmos para o lado do país, vai ser interessante ver quais os interfaces que podem criar-se. Os empreendedores são pessoas bastante próximas, são divertidos. Se és estudante e não sabes o que vais fazer dentro de cinco aos, talvez possas conhecer essas pessoas, para que elas te ajudem a criar a ideia que sempre tiveste na cabeça. Claro que há uma linha, e não se trata só de falar de casos de sucesso mas também de contar os fracassos. E essa é uma parte do que fizemos em Berlim e do que eu quero fazer em Portugal. Internamente e externamente, para o interior e o exterior.

Qual é a sua visão para a estratégia nacional para o empreendedorismo?

A ideia é que a Startup Portugal seja construída numa lógica de startup. A primeira coisa que vamos criar são fontes de design e de produto. Quero que sejamos capazes de criar empatia em relação a Portugal. Vamos precisar de um ótimo pitch day para a Startup Portugal e para Portugal. Espero que possamos ter alguns dos melhores empreendedores nacionais para irem representar Portugal no seu pitch, quero pessoas que sejam representantes orgulhosos do país. Sei que já fazem isso mas com uma boa plataforma de pitch pode ser bem mais divertido. Internamente tem a ver com design, e com fazer resultar o design de produto. Se és um empreendedor local, onde vais? Se és uma companhia tech enorme, onde vais? Tenho muitos targets de audiência diferentes que precisam de encontrar uma resposta dentro da Startup Portugal. Tal como outro produto qualquer. Precisamos de fazer bem social media, há muitos planos e, tal como numa startup, precisamos de mostrar sucesso para conseguirmos captar investimento e todas essas coisas. Quantos empregos vamos criar, que financiamento vamos captar… são algumas das questões importantes. E se as coisas que fazemos não funcionam? Sou 100% founder, se não resulta é melhor acabar e seguir em frente. Pode acontecer, e sei disso, e sei que o João sabe disso e que essa é mais uma razão para a escolha. Eu não tenho esse entendimento político, não tenho ninguém para ouvir. Posso dizer sem medo: se não funciona, não vamos fazer.

Comentários ({{ total }})

Simon Schaefer: “O governo está contaminado com o vírus startup. Isso é incrível”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião