Os 12 deputados que levaram a hipocrisia longe demais

Que os principais guerreiros contra o “centralismo lisboeta” na Agência Europeia do Medicamento sejam deputados que votaram a favor de Lisboa ultrapassa toda a hipocrisia e oportunismo imagináveis.

Não sou dos que alinham nos discursos do género “eles são todos iguais”, “só querem é tacho” ou “só vai para a política quem não sabe fazer mais nada”, como tantas vezes se ouve em relação aos políticos. São rótulos injustos para uma grande parte dos que se dedicam à política e a cargos públicos, tantas vezes mal pagos e com custos para as vidas pessoais. Também há os outros, como sabemos, aqueles que têm da política a visão carreirista, “encarneirada” e que, algumas vezes, têm nessa tarefa o melhor modo de vida que alguma vez conseguiriam face a qualquer outra ocupação.

Tudo ponderado, não me parece que as elites políticas estejam desfasadas das outras nem da média do país que, afinal, os elege.
Mas há momentos em que é muito difícil fazer a defesa da dignidade da classe política. Sobretudo quando é dos próprios que partem as atitudes mais inaceitáveis, num absoluto desprezo por aqueles que os elegem e que é suposto representarem.

Já nem falo do amor correspondido que uma parte do clã César nutre por cargos em entidades públicas – e por isso suportadas pelo dinheiro dos contribuintes – curiosamente sempre lideradas por elementos do Partido Socialista. Nem sequer das nomeações para a administração da TAP.

O que se está a passar com a candidatura portuguesa à hipotética futura sede da Agência Europeia do Medicamento – partindo do princípio que o Brexit vai acontecer e a entidade tenha que deixar Londres, onde se encontra – e os jogos de baixa política que proporciona são de uma enorme tristeza.

Que o governo tenha lançado a candidatura só a pensar em Lisboa e que Rui Moreira esteja a tentar levá-la para o Porto são atitudes que fazem parte da normalidade e da legitimidade de cada um, independentemente dos juízos que possam fazer-se entre o eterno centralismo lisboeta e a maior probabilidade de conseguir a sede da entidade se ela ficar na capital.

Mas depois chegaram os deputados e aquilo que podia e devia ser um debate sério baseado em factos e estudos foi transformado num campeonato da pior hipocrisia política.

Há pouco mais de um mês, no dia 11 de Maio, a Assembleia da República votou um “Voto de Saudação pelo apoio à candidatura de Portugal à sede da Agência Europeia de Medicamentos”, apresentado pelo PS e subscrito também pelo PSD onde se pode ler: “Na sequência do Brexit, as agências europeias sediadas no Reino Unido terão de ser relocalizadas e Portugal apresenta fortes argumentos para que Lisboa seja escolhida”; e, a terminar, “Assim, associando se aos fundamentos e objetivos acima expressos, a Assembleia da República, reunida em Plenário, saúda e apoia a candidatura de Portugal à fixação da sede da Agência Europeia de Medicamentos em Lisboa, como de interesse nacional”.
Portanto, trata-se do apoio à colocação da sede em Lisboa e não numa qualquer cidade portuguesa, a decidir.

E quem votou favoravelmente este texto? Todas as bancadas, todos os deputados presentes sem excepção. Foi aprovado por unanimidade, como bem lembrou esta quinta-feira – aos políticos e o aos jornalistas – Nuno Garoupa na sua página do Facebook.

Mas o oportunismo político está sempre à espreita e, pelos vistos, não falta quem esteja sempre disponível para surfar essas ondas. Com o início do debate lançado pelas questões colocadas pela Câmara Municipal do Porto, logo se começaram a levantar várias vozes: por que não no Porto, de facto? E se for em Coimbra? E Braga?

Que este regateio parta de entidades locais que prestam contas aos seus munícipes até se entende. Afinal estamos em ano de eleições autárquicas e tudo serve para mostrar serviço aos eleitores e ganhar algum espaço na agenda mediática.

Mas que os principais guerreiros contra o “centralismo lisboeta” nesta polémica sejam alguns dos deputados que, há poucas semanas, votaram uma saudação a favor de Lisboa ultrapassa toda a hipocrisia, populismo e oportunismo que possam imaginar-se.

Da pesquisa feita das notícias dos últimos dias, aqui fica a lista dos deputados que votaram uma coisa e agora defendem o seu contrário:

  • Do PSD: Miguel Santos (Porto), Fátima Ramos, Maurício Marques, Margarida Mano e Ana Oliveira (estes todos eleitos por Coimbra) e um conjunto de outros deputados do PSD de vários distritos que não estavam identificados nas notícias mas que enviaram um comunicado à agência Lusa a defender a instalação da AEM em Coimbra.
  • Do PS: Carla Sousa, Ricardo Bexiga, João Torres, Joana Lima, Tiago Barbosa Ribeiro e Fernando Jesus, todos eleitos pelo Porto, que questionam o governo sobre a localização em Lisboa.
  • Do Bloco de Esquerda: Catarina Martins, eleita pelo Porto, que produziu esta fantástica afirmação depois de ter votado a favor de Lisboa: “Eu julgo até que se devia decidir que Lisboa não era a melhor opção e depois olhar para as outras cidades do país que estão em condições do fazer, seguindo exemplos de outros países que não concentraram as agências europeias nas capitais, pelo contrário, diversificaram e com isso incentivaram a uma melhor distribuição no território do investimento, conhecimento, emprego, etc.”

E sim, todos estes estavam presentes nesse dia no plenário, com excepção de Margarida Mano, como se pode confirmar aqui.

Não sei qual das hipóteses para explicar isto é a menos má. Será que os deputados votam o que não lêem? Será que – e desculpem, mas perante isto todas as possibilidade devem ser colocadas – não têm literacia suficiente para entender o que está escrito nos documentos que votam? Será que decidem o voto com a mesma autonomia das ovelhas em rebanho? Ou será que o impulso para apanhar todas as ondas populistas – em Lisboa e no Parlamento há que seguir pelo suposto “interesse nacional” mas perante uma polémica regional há que atender ao voto local – é muito mais forte do que a noção de ridículo e a vergonha que estas atitudes hipocritas devia provocar?

Seja como for, há aqui pelo menos uma dúzia de deputados que devem explicações a quem os elegeu. Ou pedem desculpa pelo voto parlamentar do dia 10 de Maio e apresentam agora um voto contrário ao que então ajudaram a aprovar. Ou remetem-se a um higiénico, mas tardio, silêncio sobre o assunto e deixam de prosseguir o mais básico populismo.
É mau demais para passar em claro.

(Artigo de opinião atualizado com a data correta da votação e com a referência à deputada Margarida Mano, que não esteve presente na votação).

Comentários ({{ total }})

Os 12 deputados que levaram a hipocrisia longe demais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião