Aos meus amigos do Observador (e à Assunção Cristas)

Racionalizar e normalizar Bolsonaro é um erro. O ódio não tem defesa, nunca se tolera. É uma traição à história, aos valores do liberalismo. E um abrir a porta aos inimigos da sociedade aberta.

Deixem-me começar com um exemplo que todos vocês conhecem bem: na Venezuela, Hugo Chávez era um político “outsider” que usava a raiva que crescia na sociedade contra uma elite corrupta para se afirmar como um “antibiótico”. Chávez foi eleito Presidente em 1998, democraticamente. E até morrer em 2013 não foi antibiótico contra a raiva, foi um político que fomentou o ódio para aumentar o seu poder.

Chávez fez da Venezuela a sua ditadura: usou as Forças Armadas, prendeu opositores, tomou controlo dos media, mudou a constituição, cortou as liberdades, empobreceu o país. A Venezuela, hoje, está como está: mostrado como uma democracia pode morrer não só pelas mãos dos generais, mas também pelas mãos dos líderes eleitos.

Agora deixem-me falar-vos sobre o Brasil, porque tenho visto como – em sucessivas colunas de opinião, o Observador tem justificado Bolsonaro, racionalizando um dos discursos mais anti-democráticos e iliberais da história do pós-Segunda Grande Guerra, ou de após a queda do regime soviético. Eu sei que me vão dizer que não o defendem. Eu respondo que o justificam, que o racionalizam, que o normalizam, lhe dão a porta de entrada num sistema (democrático) a que ele não pertence. E que o ódio não se justifica, não tem defesa, nunca se tolera.

Como dizia a saudosa Maria José Nogueira Pinto, eu sei que vocês sabem que eu sei.

Porque fui fundador convosco – e continuo a ser um orgulhoso fundador de um projecto que fazia falta -, sei como quiseram deixar clara a identidade do Observador, assumindo a defesa do liberalismo como alfa e ómega da sua existência. Sei como aceitaram separar isso da liberdade noticiosa, sei como distinguiram identidade política (assumida) de identidade partidária (rejeitada, à partida). Sei também como fizeram o projeto crescer, ganhando escala e centralidade na discussão política em Portugal.

Acontece que a importância que o Observador ganhou dá-lhe (ao projeto) e dá-vos (a cada um de vocês) um papel muito mais relevante na sociedade portuguesa. E como relevância traz responsabilidade, também a cada um de vós se exige, agora, o particular cuidado de não usar erradamente esse poder prejudicando os valores que – bem – marcaram o início do projeto.

Ora, o que tenho visto na coluna de Opinião do Observador sobre as eleições no Brasil é a antítese daquilo em que acredito. E, na minha opinião, um erro tremendo.

Um erro por contradizer os princípios mais básicos das democracias. Um erro por contradizer os princípios fundadores do liberalismo. Um erro por contradizer os princípios fundadores do Observador, sublinhados no seu Estatuto Editorial. Um erro, meus caros, porque abre a porta a um discurso que não queremos que volte nem lá, nem cá.

O meu ponto é este: o discurso de Bolsonaro não é justificável, não é aceitável, não pode ser defendido pela razão. Não há um único bom motivo para alguém justificar um candidato à presidência do Brasil que defende sem medo nem vergonha tudo isto, ameaçando prender os opositores, “limpar” os seus críticos, fechar jornais, distribuir armas numa sociedade extremada, perseguir os que são diferentes.

Explicar “porque os brasileiros votam em Bolsonaro”, como tenho visto por aí insistentemente, é normalizar um candidato que é um evidente candidato a ditador. Dar voz a quem diz que “Bolso não é besta”, argumentar que o problema está na agonia da esquerda brasileira, atirar que há “ódio a quem os desmascara”, irritarem-se contra o “fascistródomo” e gritar “Vocês Também Não!”, com hashtag e sem espaços, é dar um empurrão ao que Bolsonaro fez na campanha: espalhar o ódio, fazendo uma apologia constante da violência – como fizeram os maiores ditadores da história do século XX, aqueles que vocês tão bem sempre denunciaram nos livros da história.

Sim, o meu alerta é um lembrete de que não há ditadores maus de esquerda e aceitáveis se forem de direita (ou vice-versa). Um lembrete de que o papel da imprensa não é ficar neutro quando a disputa é entre a liberdade e a servidão, entre o bem e o mal – em que o “mal” não é um adversário partidário, que devemos tolerar mesmo que criticando, mas o que pode destruir o nosso modo de vida.

E não, a escolha nem sequer é entre a ditadura e a corrupção. Porque só Lula foi julgado, Dilma ainda não; porque um partido não é todo corrupto se o seu líder o for; porque se fosse assim o que poderíamos dizer que sobrava de qualquer partido, nas mais avançadas democracias do mundo?

Isso, o meu alerta é também recordar-vos que Haddad pode ser o homem que defende o que nenhum de vocês perfilha, mas que ele não é, ao contrário de Lula, sequer acusado de corrupção. E que se vos foi possível defender a presunção de inocência de um jogador de futebol acusado de violação, também terá que vos ser possível dar a mesma presunção de inocência àqueles que vos suscitam a cólera (não importa o nome deles, vocês sabem de quem estou a falar).

Na prática, aquilo que defendo é que, no caso brasileiro, todos deviam fazer como a esquerda francesa fez nas últimas presidenciais, dando claramente o seu voto a Macron contra a ameaça de Le Pen. É onde erra, por exemplo, Fernando Henrique Cardoso: se nunca há neutralidade no mal, nunca podemos ser neutrais perante ele. É reler a Hannah Arendt, ela explica melhor do que ninguém.

Na teoria (porque sei que os livros vos guiam mais do que as pessoas), o que vos sugiro é que releiam os ensinamentos de Sir Karl Popper, quando nos colocou perante o “paradoxo da tolerância”: uma sociedade aberta não pode tolerar o intolerável, sob pena de se fechar definitivamente.

Meus caros observadores, como bem lembraram Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, se é responsabilidade dos partidos e dos sistemas políticos evitar que candidatos a ditadores entrem no jogo democrático e que possam tomar o poder, destruindo o nosso modo de vida, é nossa responsabilidade (enquanto comunicação social) assumir a defesa do mundo livre. E nunca relativizar os inimigos da sociedade aberta. Lembrem-se: quando chegarem cá, eles podem chamar-se Chávez ou Bolsonaro.

P.S. Esta carta é também para Assunção Cristas, que esta semana disse que entre Bolsonaro e Haddad “não votava”. Mas a ela, que é líder do CDS, aconselhava apenas que lesse as crónicas dos seus amigos e colegas de direção. O Francisco Mendes da Silva, sobre o que é e deve ser “um conservador em tempos de cólera”; e o Adolfo Mesquita Nunes sobre “Rejeitar Bolsonaro”: “Um espaço político como o da direita das liberdades não pode resignar-se à apresentação de populistas como Bolsonaro ou Orbán, lamento”. Se o Adolfo se mantiver coerente com o seu pensamento, saberá que abstenção não é opção. Talvez assim a Assunção perceba melhor, talvez assim a direita tenha futuro.

Notas soltas da semana

  • Tancos, encobrir o encobrimento. O chefe de gabinete diz que informou o ex-ministro. O ex-ministro vai mesmo a tribunal, depor. E a comissão de inquérito começa com a esquerda a querer investigar que ministro é que deixou de investir no paiol.
  • Marcelo, um registo e uma pergunta. Duas semanas depois, o Presidente jurou que não sabia. E disse também que não falou com o chefe militar que se demitiu porque este “não pediu audiência”. E neste ano e meio, terá pedido?
  • O que dizer de Rui Rio? O plano do PSD para a Justiça implica que os políticos tenham maior controlo sobre o Ministério Público e os tribunais. Medo.
  • Cavaco em ricochete. O Ex-Presidente foi “infeliz”, “irresponsável”, “trivial”, “artista”, ao publicar estas memórias, nestes termos que usou, a menos de um ano das legislativas. Assim, deu uma ajuda a Costa.
  • Centeno em fim de paciência. O ministro revelou menosprezo pelas regras, contrapesos e pelos críticos do seu orçamento. Assim não ajuda a uma saída airosa.
  • Vieira no caminho errado. A sua proposta conjunta sobre reforma antecipada aos 60 anos e 40 de descontos é uma injustiça para milhares de portugueses que têm mais idade e o mesmo tempo de trabalho. Ou muda ou recua no que deu ao Bloco.
  • Aeroporto sem pista. A SIC deu a notícia: o estudo de impacto ambiental sobre o novo aeroporto do Montijo é um logro; e o novo está a ser feito à pressa. Vai correr mal – e para todos.

Comentários ({{ total }})

Aos meus amigos do Observador (e à Assunção Cristas)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião