Cabify aumenta preço das viagens

Mudou a fórmula de cálculo do preço das viagens na Cabify. Agora, já não conta só a distância, mas também o tempo. Custo deverá ser, geralmente, superior.

O preço das viagens na Cabify Portugal vai passar a ter em conta o fator tempo, para além da distância, uma medida que poderá aumentar o custo do serviço em alguns trajetos. A informação foi comunicada aos utilizadores esta quarta-feira, por email, e surge numa altura em que o Parlamento se prepara para, mais uma vez, tentar aprovar regulamentação para este setor de atividade, antecipando-se um aumento da contribuição que as plataformas terão de pagar ao Estado.

“Queremos ser sempre transparentes consigo. Por isso, escrevemos-lhe a informar de que, a partir de hoje, vamos atualizar o nosso sistema de cálculo de tarifas”, indica a empresa aos clientes. “Com esta atualização, o preço da viagem terá também em conta o tempo estimado do trajeto, além da distância”, acrescenta. A alteração só se aplica ao serviço prestado a partir das cidades de Lisboa e Porto.

A empresa garante que “isso pode significar que alguns trajetos poderão ser ligeiramente mais baratos ou ligeiramente mais caros, dependendo das condições do trânsito no momento em que se calcule a tarifa”, indica a nota enviada aos clientes. Ao mesmo tempo, a empresa reconhece implicitamente que a tarifa deverá ser, no geral, mais cara: “Esta alteração permite valorizar ainda mais o tempo dos nossos parceiros e garantir ainda mais carros disponíveis, para que espere menos pela sua viagem”, aponta a Cabify.

De recordar que o Parlamento aprovou a legislação para a atividade das plataformas como a Cabify e a Uber, mas a lei esbarrou em Belém, tendo merecido um veto do Presidente da República. A Assembleia da República (AR) estará a trabalhar mais uma vez sobre o dossiê, nomeadamente na tentativa de gerar condições de mercado similares para o setor do táxi, uma das exigências de Marcelo Rebelo de Sousa.

Ora, o projeto que estava em cima da mesa previa o pagamento de uma contribuição ao Estado num montante entre 0,1% e 2% do valor total pago pelo cliente por cada viagem, antecipando-se que essa taxa possa ser revista em alta antes de o projeto de lei chegar novamente a Belém para avaliação do Presidente.

Na altura, o líder da Cabify Portugal, Nuno Santos, não se mostrou contra a medida, mas lembrou que é importante “proteger o investimento em Portugal”. E disse que a empresa ia “tentar que os clientes não sintam” o peso dessa nova contribuição, que colocará alguma pressão sobre as receitas das plataformas eletrónicas de transporte.

O ECO sabe que, no setor, anseia-se pela entrada em vigor de uma regulamentação para este setor mas teme-se que o tema não seja uma prioridade neste momento. Não falta muito para o Parlamento entrar de férias e 2019 é ano de eleições, pelo que alguns responsáveis setoriais têm receio de que o assunto continue a arrastar-se por mais alguns meses. A Uber, por exemplo, entrou em Portugal em 2014 — há quatro anos. Desde então aguarda pela lei das plataformas.

Comentários ({{ total }})

Cabify aumenta preço das viagens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião