Juros agravam-se no primeiro leilão de dívida

Portugal já tinha pago mais pela dívida a dez anos na emissão sindicada. No primeiro leilão, as taxas voltaram a disparar. A taxa a sete anos chegou a 3,668%, quase o dobro face ao pago em junho.

Portugal voltou ao mercado. E voltou a pagar mais para obter um financiamento de 1.180 milhões de euros, aquém do máximo previsto. Depois de ver a taxa disparar na emissão a dez anos no arranque do ano, os juros escalaram no duplo leilão a cinco e sete anos, refletindo o sucessivo agravamento das yields no mercado secundário nos últimos tempos. A taxa no prazo a sete anos chegou aos 3,668%.

O IGCP colocou 630 milhões de euros no prazo mais curto, a cinco anos, em que a taxa ascendeu a 2,753%, de acordo com os dados citados pela Bloomberg — este juro compara com os 2,112% registados na operação idêntica realizada em novembro. O remanescente, ou seja, os restantes 550 milhões de euros foram emitidos a sete anos.

Este menor montante colocado no prazo mais longo reflete a opção da agência liderada por Cristina Casalinho de se proteger perante taxas elevadas. É que no caso dos títulos a sete anos, a taxa exigida pelos investidores subiu para 3,668%. Na última emissão comparável, Portugal tinha pago 2,817%. Em junho, a taxa foi de 1,843%. Ou seja, agora quase duplicou.

As taxas acabaram por ficar em linha com as taxas praticadas em mercado secundário, mas bastante acima das registadas nas últimas operações de financiamento semelhantes. Uma evolução que fez com que no total o IGCP tivesse ficado aquém do montante máximo que pretendia. Colocou 1.180 milhões quando a meta era a de emitir entre 1.000 e 1.250 milhões de euros. A procura superou a oferta em duas vezes no caso do prazo a sete anos.

As taxas “ficaram em linha com o que está a ser feito no mercado secundário. Evidentemente subiram face às últimas emissões comparáveis. Tivemos uma procura muito razoável para um montante emitido que também ficou dentro das expectativas. As operações correram bem”, comenta Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

Esta subida das taxas segue o agravamento dos juros no mercado que já em janeiro levaram o país a financiar-se a dez anos com um juro bem mais elevado. Na emissão sindicada a dez anos realizada no dia 11 de janeiro, Portugal pagou um juro de 4,3% — o mais elevado desde a saída da troika — para angariar três mil milhões de euros.

Desde então, a tensão nos mercados manteve-se. Tanto pelos receios dos investidores em torno do fim do programa de compras de dívida do Banco Central Europeu, como a indefinição política na Europa, mas também por problemas específicos de Portugal, os juros têm subido, tocando máximos de três anos. Os problemas na banca têm sido apontados pelos analistas como riscos para o país.

(Notícia atualizada às 10h54 com mais informação sobre o leilão de dívida)

PUB

Comentários ({{ total }})

Juros agravam-se no primeiro leilão de dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião