Isabel dos Santos sai do BPI e ganha 80 milhões

Está desfeito o mistério: Isabel dos Santos aceitou vender a posição no BPI ao CaixaBank e tem uma mais-valia superior a 80 milhões de euros.

Isabel dos Santos deixou de ser acionista do BPI: a empresária angolana deu ontem uma ordem de venda da participação de 18,5% que tinha no BPI na Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank a 1,134 euros por ação, revelou ao ECO em primeira mão uma fonte conhecedora do processo. Contas feitas, entrou em 2009, saiu em 2017 e ganhou mais de 80 milhões de euros.

Com base nas comunicações realizadas ao mercado de participações qualificados ocorridas ao longo destes anos, a mais-valia de Isabel dos Santos resulta da venda da atual participação e também dos dividendos entretanto ganhos, de cerca de 12,6 milhões de euros, referentes aos anos de 2008 e 2009.

A empresária não ganha apenas com a venda da posição no BPI. Isabel dos Santos passou a controlar a maioria do capital do BFA, através da Unitel, o maior banco angolano que estava, até há poucas semanas, sob domínio do BPI. Mário Silva, aliás, é um gestor de confiança de Isabel dos Santos e presidente da Fidequity, passou a ser o chairman do BFA e substituição de Fernando Ulrich.

Com a decisão de Isabel dos Santos, está garantido o sucesso da OPA do CaixaBank sobre o BPI. Os catalães, recorde-se, já controlam cerca de 45% do capital do banco liderado por Fernando Ulrich.

Já hoje, o ECO revelou que o maior acionista português, o grupo Violas, também deu ordem de venda para a sua participação de 2,6% do capital.

O resultado da oferta será apurado em Sessão Especial de Mercado Regulamentado da Euronext Lisbon, que terá lugar amanhã, dia 8 de fevereiro.

O BPI registou um aumento de 32,5% dos lucros para 313,2 milhões de euros em 2016.

PUB

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos sai do BPI e ganha 80 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião