Portugal coloca mais dívida com juros negativos

Portugal obteve os 1.750 milhões de euros no primeiro leilão de Bilhetes do Tesouro do ano. As taxas caíram, com a emissão a 12 meses a voltar a ter um juro negativo.

Portugal voltou aos leilões de dívida de curto prazo com juros mais baixos. Depois de ter colocado dívida a dez anos com uma taxa de mais de 4%, obteve juros negativos tanto a seis como a 12 meses. E colocou mais dívida do que o inicialmente previsto. Queria 1.500 milhões, acabou por financiar-se em 1.750 milhões.

O IGCP colocou 1.400 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a 12 meses, com a procura a superar 1,55 vezes a oferta. Neste prazo, Portugal voltou a conseguir financiar-se com taxas negativas: o juro foi de -0,047%, o que compara com a taxa de 0,005% no último leilão comparável realizado em novembro de 2016.

Taxa de juro a 12 meses

Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)
Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)

Ao mesmo tempo, no prazo a seis meses, a taxa foi ainda mais negativa do que no anterior leilão. Passou de -0,027% para -0,091%, sendo que neste prazo foram apenas colocados 350 milhões de euros. A procura neste prazo foi bastante mais forte do que a 12 meses: a procura superou a oferta em 3,53 vezes.

Os dois leilões correram bem e os resultados são francamente positivos“, diz Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa. “O país conseguir-se financiar em 1.750 milhões a taxa negativa é muito positivo para o Estado, mas trata-se de dívida de curto prazo, o que lhe retira grande significado… O mercado agora vai estar atento é ao que se vai passar amanhã, na reunião do BCE”.

Com esta operação, a primeira de curto prazo deste ano, Portugal assegura logo no primeiro mês do ano cerca de 30% do total das necessidades de financiamento previstas para 2017. No total, a agência liderada por Cristina Casalinho prevê levantar entre 14 mil milhões e 16 mil milhões de euros ao longo deste ano, sendo a quase totalidade do valor assegurado com Obrigações do Tesouro.

"O país conseguir-se financiar em 1.750 milhões a taxa negativa é muito positivo para o Estado, mas trata-se de dívida de curto prazo, o que lhe retira grande significado…”

Filipe Silva

Diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa

O primeiro teste do ano ficou marcado por um agravamento dos custos de financiamento. Através de uma emissão que contou com o apoio de um sindicato bancário, o IGCP colocou um montante de 3.000 milhões de euros em obrigações a dez anos, tendo pago uma taxa de juro de 4,227%, o mais elevado desde a saída da troika, em 2014.

“A transação beneficiou da participação de uma matriz granular de investidores institucionais”, referiu o instituto liderado por Cristina Casalinho. “A distribuição geográfica foi diversificada com grande participação de investidores sediados em França, Itália, Espanha e Reino Unido. Por tipo de investidor, a maior parte da procura veio de gestores de fundos, bancos centrais/bancos privados e seguradoras/fundos de pensões”, acrescenta.

(Notícia atualizada às 10h43 com mais informação sobre o leilão de Bilhetes do Tesouro)

Comentários ({{ total }})

Portugal coloca mais dívida com juros negativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião