Sport TV sai da grelha da Nowo, que detém a exclusividade da Eleven Sports

A Sport TV decidiu sair, de forma "unilateral", da grelha televisiva da Nowo. A decisão surge numa altura em que estão a decorrer as negociações com as outras operadoras pelos canais da Eleven Sports.

A Sport TV deixou de estar presente na grelha televisiva da Nowo desde esta sexta-feira. A estação de conteúdos premium decidiu cortar o sinal à meia-noite, numa decisão que é justificada de forma diferente pelas duas empresas. Por um lado, a Nowo acusou a Sport TV de ter aumentado o custo de acesso aos canais em 15% no último dia de vigência do contrato anterior, que terminou em julho. Por outro, a Sport TV acusa a Nowo de ter uma “elevada dívida vencida”, que “continua por liquidar”, e diz que viu-se obrigada a “interromper” os serviços à operadora, por “falta de acordo entre as partes”.

No início da manhã, a operadora presidida por Miguel Venâncio emitiu um comunicado onde acusa a Sport TV de ter decidido, de forma “unilateral”, abandonar a grelha televisiva da Nowo. Na nota, diz que a decisão resulta da sua própria recusa em aceitar novas condições apresentadas pela Sport TV, que previam um agravamento do custo de acesso na ordem dos 15%. Sem acordo, a Sport TV cortou o sinal à meia-noite.

“A Nowo foi hoje [sexta-feira] confrontada com uma decisão sem precedentes no mercado português por parte da Sport TV — a interrupção unilateral do serviço, prejudicando desta forma milhares de clientes Nowo e Sport TV de norte a sul do país”, lê-se no comunicado emitido pela Nowo. A empresa presidida por Miguel Venâncio vai ainda mais longe e diz “estranhar esta posição”, que entende “tratar-se de uma postura atentatória aos valores de respeito comercial e sã concorrência de mercado”. Na mesma nota, deixa em aberto a hipótese de avançar contra a Sport TV na Justiça: “A Nowo acionará os meios que considerar necessários para salvaguardar os interesses dos seus clientes”.

Numa reação ao comunicado da Nowo, a Sport TV também emitiu uma nota, onde acusa a Nowo de ter uma em dívida “elevada”. “A Sport TV vem dar conhecimento que, desde a meia-noite do dia 9 de novembro, viu-se forçada a interromper os seus serviços ao seu parceiro Nowo, por falta de acordo entre as partes”, começa por escrever a empresa presidida por Nuno Ferreira Pires. A estação desportiva acrescenta também que “o contrato da Sport TV com a Nowo terminou em julho de 2018” e que, “apesar das negociações para renovação entre as duas entidades terem sido iniciadas seis meses antes (fevereiro do corrente ano), não foi possível até julho chegar a novo acordo”.

“Após o término do contrato em julho de 2018 e da elevada dívida vencida que a Nowo tinha já nessa data perante a empresa, e que continua por liquidar, a Sport TV acedeu ainda assim em manter o serviço, desde 1 de agosto até dia 8 de novembro, no sentido de não prejudicar os clientes Sport TV que acedem aos seus canais através deste operador, e, simultaneamente, preservar a relação de parceria entre ambos”, garante a mesma nota.

A Sport TV continua, acusando a Nowo de ainda não ter feito “qualquer pagamento”, “seja por conta da dívida referente ao contrato antigo e já terminado, seja por conta dos serviços posteriores prestados até 8 de novembro de 2018”. “Durante todo o período em dívida, a Nowo continuou a cobrar aos seus clientes os serviços da Sport TV”, denuncia a empresa. A nota termina com a Sport TV a mostrar-se “empenhada” em restabelecer o serviço aos clientes da Nowo, caso a operadora “pretenda ultrapassar a atual situação”.

No comunicado inicialmente divulgado pela Nowo não é feita qualquer referência à alegada dívida, pelo que o ECO contactou a Nowo no sentido de obter mais detalhes, mas ainda não obteve resposta. O ECO questionou também a Sport TV acerca dos motivos que levaram ao alegado aumento dos custos em 15%, mas o comunicado divulgado posteriormente não abordou este ponto.

Apesar de ainda não ter sido tomada uma decisão por parte da Nowo, o mais provável é que os clientes da Sport TV através da Nowo venham a beneficiar de uma campanha de compensação pela perda do acesso aos conteúdos da estação desportiva, apurou o ECO junto de uma fonte do mercado.

A Champions como pano de fundo. E a dívida da Nowo à Altice Portugal

Este diferendo surge numa altura em que a Nowo está a negociar com as outras operadoras os direitos de transmissão dos canais da Eleven Sports, a empresa britânica que entrou no mercado português este ano e conseguiu arrebatar à Sport TV os direitos da Liga dos Campeões.

O ECO sabe que, na Nowo, esta decisão “unilateral” está a ser vista à luz das negociações que têm ocorrido com a Meo, a Nos e a Vodafone, acionistas da Sport TV, numa tentativa de incluir os canais da concorrente Eleven Sports na grelha das três principais operadoras. As negociações decorrem há meses, mas ainda não foi anunciado qualquer tipo de acordo. Assim, a Liga dos Campeões, que vai já na quarta jornada da fase de grupos, ainda não faz parte das grelhas da Meo, da Nos e da Vodafone, isto é, as que estão presentes nas casas da maioria dos portugueses que subscrevem televisão paga.

Apesar de serem duas empresas distintas, é a Nowo que está a negociar com as operadoras concorrentes, em nome da Eleven Sports, os direitos dos novos canais da empresa britânica. Ora, em meados de outubro, em entrevista ao ECO, o diretor-geral da Eleven Sports Portugal, Jorge Pavão de Sousa, assumiu que se estavam a verificar “avanços e recuos” nas negociações: “A informação que temos (porque também pressionamos a Nowo do ponto de vista de termos visibilidade do que é que se está a passar), é a de que têm havido avanços e recuos. Há grandes avanços um ou dois dias antes dos jogos da Liga dos Campeões, e depois, uma hora e meia antes de o jogo iniciar-se, ou após a conclusão do jogo, parece que há um back off do lado das operadoras”, garantiu.

Em contrapartida, o presidente executivo da Sport TV, Nuno Ferreira Pires, garantiu em setembro que a estação não vai mexer no preço da subscrição para os clientes: “Informámos o mercado de que não íamos fazer revisão imediata de preços e o mercado reagiu pela positiva, porque a realidade é que os clientes estão a manter-se ligados e a entrar mais do que no ano passado e conhecem o contexto.”

Mas o corte do sinal da Sport TV à Nowo também tem de ser visto à luz de outro episódio recente nos setores de media e telecomunicações. A 20 de setembro, o ECO revelou que a Altice Portugal, dona da Meo, instaurou um pedido de insolvência contra a Oni, empresa do grupo Nowo, alegando o incumprimento no pagamento de uma dívida. Esta semana, contudo, a Nowo e a Altice Portugal chegaram a acordo: a Oni/Nowo pagou mais de metade do montante devido à Meo e desenhou um plano de pagamentos para o restante valor; em troca, a Altice Portugal retirou o processo contra a concorrente.

Apax vende Nowo à KKR

A Nowo nasceu em 2016 a partir de um rebranding à antiga Cabovisão, numa altura em que ainda era presidida por Miguel Veiga Martins, que deixou a empresa este ano. O grupo é detido pela Apax desde 2015, depois de ter sido alienado pela Altice. Mas as duas marcas, detidas pela Cabolink, estarão prestes a mudar de mãos outra vez.

No início de outubro, soube-se que a Apax chegou a um acordo com o fundo norte-americano KKR para a venda da Cabolink. Num anúncio publicado na imprensa, a Autoridade da Concorrência (AdC) divulgou esta operação de “aquisição de controlo exclusivo indireto” da Cabolink “pela KKR”.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h30)

Comentários ({{ total }})

Sport TV sai da grelha da Nowo, que detém a exclusividade da Eleven Sports

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião