Taxistas dizem que perderam três milhões de euros com a manifestação. Impacto económico terá sido de dez milhões

Setor do táxi estima que os oito dias de paralisação tenham custado três milhões de euros em receitas perdidas. Florêncio de Almeida calcula igualmente um impacto negativo de dez milhões na economia.

Os taxistas terminaram esta quarta-feira uma paralisação que durou oito dias e terá custado três milhões de euros ao setor e dez milhões de euros à economia.MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O protesto dos taxistas contra a “lei da Uber”, que durou oito dias e terminou esta quarta-feira, terá resultado em perdas de três milhões de euros em receitas para o setor e num impacto negativo de dez milhões de euros na economia. As estimativas foram avançadas ao ECO por Florêncio de Almeida, presidente da Antral, uma das entidades que representa os taxistas em Portugal.

Segundo o presidente da associação, o impacto económico negativo é justificado com os muitos litros de combustível que não foram consumidos pelos táxis que estiveram parados e, também, com o forte dispositivo policial que acompanhou de perto a paralisação, bem como outros fatores. Estas contas levam o presidente da Antral a garantir uma coisa: “O Governo perdeu muito dinheiro com isto”, garantiu o líder da Antral ao ECO.

Os taxistas iniciaram uma paralisação na madrugada de quarta-feira da semana passada, a poucos meses da entrada em vigor da chamada “lei da Uber”. Exigiam que o regulamento, que vai legalizar as plataformas eletrónicas concorrentes, fosse enviado para fiscalização sucessiva do Tribunal Constitucional (TC). Oito dias depois, esta quarta-feira, o setor decidiu desmobilizar, após a promessa do PS de que vai transferir as competências de licenciamento para as câmaras municipais.

A paralisação concentrou-se sobretudo na Avenida da Liberdade, em Lisboa, com os taxistas a ocuparem as faixas reservadas aos transportes públicos. No Porto e em Faro, o setor também promoveu a concentração de taxistas em zonas simbólicas.

A promessa do PS não satisfaz totalmente a exigência do setor, pelo que, esta quarta-feira, Florêncio de Almeida considerou a manifestação como “uma meia vitória”. O presidente da Antral afirmou ainda que “a luta está terminada por agora”.

A “lei da Uber” vai legalizar a atividade de milhares de motoristas que já circulam em várias cidades portuguesas, ao serviço das aplicações móveis de transporte. Servirá de regulamento a empresas como a Uber, a Cabify, a Taxify e a Chauffeur Privé. Entra em vigor a 1 de novembro. Para os taxistas, estas plataformas representam “concorrência desleal”.

Comentários ({{ total }})

Taxistas dizem que perderam três milhões de euros com a manifestação. Impacto económico terá sido de dez milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião