Montepio fecha 2016 com capitais próprios negativos em 250 milhões. Finanças ajudam com crédito fiscal de 800 milhões

A Associação Mutualista Montepio fechou 2016 com capitais negativos em 251 milhões. Créditos fiscais de 800 milhões permitiram que contas de 2017 apresentassem capitais positivos em 500 milhões.

A Associação Mutualista Montepio fechou 2016 com capitais próprios negativos em 251 milhões de euros. Ainda assim, os créditos fiscais no valor de 808 milhões de euros permitiram que as contas individuais de 2017 apresentassem a mutualista com capitais próprios positivos em mais de 500 milhões.

“A Associação Mutualista Montepio, no cumprimento das normas internacionais de contabilidade, refletiu nas suas demonstrações financeiras o apuramento de ativos por impostos diferidos no montante de 808,6 milhões de euros“, lê-se no comunicado da instituição onde informa sobre os resultados apurados em 2016 (consolidados) e 2017 (individuais).

“Os resultados apurados em base individual vêm elevar o capital próprio em base consolidada, passando agora para um valor positivo de 510 milhões de euros. A Associação Mutualista Montepio ultrapassa a situação de capitais próprios negativos de 251 milhões de euros apresentada nas contas consolidadas de 2016”, informa a dona do Montepio.

Como avançou o ECO em primeira mão, a instituição liderada por Tomás Correia enviou nas últimas semanas um pedido de informação vinculativa ao Ministério das Finanças para avaliar a possibilidade de deixar de ficar isenta de IRC. Ou seja, a Associação Mutualista pretendia começar a pagar impostos ao Estado. Mas o objetivo final era outro: tirar partido de um regime fiscal que bancos e empresas já usufruem — dos créditos fiscais — e refletir esse efeito fiscal positivo nas suas contas de 2017.

Esta segunda-feira soube-se que as Finanças autorizaram esse pedido. Deste modo, de capitais próprios negativos em 251 milhões de euros em 2016, a Associação Mutualista terminou 2017 com capitais próprios positivos em 510 milhões de euros.

Seguros e banco criam imparidades de 230 milhões

Segundo a mutualista, no exercício de 2017 foi apurado um lucro de 587,5 milhões de euros, um resultado fortemente influenciado por estes créditos fiscais.

Já o ativo líquido teve uma variação positiva de 5,5%. Isto apesar de a instituição ter incorporado “uma posição conservadora na avaliação dos seus ativos, reconhecendo imparidades adicionais” nas participações na Montepio Seguros e na Caixa Económica Montepio Geral no valor de 233,4 milhões de euros.

Sem grande detalhe em relação às demonstrações financeiras, a associação indica ainda que o grau de cobertura de responsabilidades assumidas com os associados ascende a 1,059, acima dos 1,052 registados em 2016, “estando acima dos valores médios de mercado”.

A mutualista liderada por Tomás Correia apresentou esta segunda-feira as contas consolidadas de 2016 e as contas individuais de 2017, as quais esperam aprovação dos associados na próxima assembleia geral do dia 28 de março.

Menos sete mil associados

Por outro lado, o número de associados decresceu 1,5% em 2017, naquilo que traduz na perda de sete mil associados num ano particularmente sensível para o grupo. Fechou assim o ano passado com 625 mil associados, mantendo-se, ainda assim, como maior associação mutualista em Portugal.

No mesmo comunicado, diz que as receitas associativas cresceram 234 milhões de euros, para 711 milhões, “fruto da dinâmica do relacionamento associativo obtido através da rede dedicada de gestores mutualistas e do contributo da rede de balcões da Caixa Económica Montepio Geral”.

(Notícia atualizada às 20h35)

Comentários ({{ total }})

Montepio fecha 2016 com capitais próprios negativos em 250 milhões. Finanças ajudam com crédito fiscal de 800 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião