Dos transportes ao pão: tudo o que sobe de preço em janeiro

Fumar e beber álcool fica mais caro, mas também andar de carro (ou comprar um) ou de transportes. Até a carcaça na padaria sobe de preço. Saiba o que esperar a partir de 1 de janeiro.

O novo ano está aí à porta e, mesmo com um regime de IRS mais favorável e outras mudanças que podem afetar positivamente o bolso dos contribuintes portugueses no novo Orçamento do Estado, há preços que vão subir a partir do dia 1 de janeiro. Esteja preparado para pagar mais por um copo de whisky ou por um automóvel, para gastar mais nas portagens, nos transportes e também na padaria. Afinal, o que muda nos preços em 2018?

  • Andar na estrada fica mais caro

Conduzir o seu automóvel vai ficar mais caro. O Imposto Único de Circulação, ou IUC, vai ser atualizado de acordo com a inflação, isto é, vai subir 1,4%. O mesmo se aplica a outros aspetos do mundo automóvel. Por exemplo, o Imposto sobre Veículos, ou ISV, que se aplica à compra de um automóvel, também sobre 1,4% (o que significa aumentos substanciais quanto mais luxuosa a viatura).

Também as portagens ficam mais caras, pelo mesmo motivo. A partir de 1 de janeiro, as portagens vão subir de preço para acompanhar o ritmo da inflação, para preços que vão ser tabelados pela Brisa e pela Infraestruturas de Portugal em conjunto com o Governo e o IMTT.

  • Preço dos transportes públicos sobe até 2% em 2018

Se anda de transportes públicos, prepare-se para pagar mais a partir de 1 de janeiro. É que, diz o Jornal de Notícias (acesso pago), os valores dos bilhetes vão sofrer um agravamento até 2%, subida que o Governo considera “equilibrada”. O jornal diz que os preços dos transportes públicos subirão até 2% em janeiro do próximo ano, sendo este aumento dos tarifários explicado pela necessidade de cobrir os custos das empresas de transporte. O secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, justifica a atualização dos valores dos bilhetes com o facto de manter-se, em simultâneo, a compensação dos passageiros com a dedução de 6% do IVA dos passes no IRS e com o alargamento dos descontos às crianças e jovens.

  • Copos e cigarros ficam mais caros

O novo Orçamento do Estado resultou também na aprovação de uma subida do Imposto sobre o Álcool e Bebidas Alcoólicas, ou IABA, ligeiramente mais do que a inflação: subirá 1,5%. O Governo prevê um aumento da receita com este imposto na ordem dos 17 milhões de euros no final do ano, mas o aumento do imposto é tão pequeno que mal se fará sentir na cerveja. Os aumentos virão, aos cêntimos, nas bebidas destiladas de custo mais elevado.

O maço de tabaco também pode vir a subir de preço, dependendo da marca. O imposto sobre o tabaco aumentou, mas o ad valorem diminuiu em um ponto percentual. Isso significa que as marcas de tabaco mais caras ficam a salvo de uma subida, segundo calculou o Jornal de Negócios, enquanto os maços que custam até 4,70 euros terão de subir os preços para absorver a carga fiscal.

  • Pão sobe de preço por causa do salário mínimo

“No início do ano que vem o pão terá, inevitavelmente, de aumentar. Não dá para aguentar mais esta situação”, disse António Fonte, presidente da Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte (AIPAN) ao Correio da Manhã, sublinhando que “o que aí vem, em termos de agravamento dos custos de produção, não permite alternativa”. O preço do pão está congelado desde 2011. O agravamento dos custos com os combustíveis e a subida do salário mínimo farão com que venha aí um aumento em torno dos 20%.

  • Rendas podem subir também

Os senhorios vão poder aumentar as rendas em 1,12% em 2018. O coeficiente de atualização do arrendamento urbano e rural para o próximo ano fixou-se nos 1,0112, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística. Desde o final de setembro, quando o valor foi publicado em Diário da República, que os senhorios podiam comunicar o aumento aos inquilinos. Mas é sempre necessário respeitar uma antecedência mínima de 30 dias face ao momento exato da atualização da renda. Contudo, os senhorios não são obrigados a aplicar a atualização.

Por exemplo, um aumento de 1% numa renda de 200 euros significa que o inquilino poderá pagar mais dois euros — 24 euros por ano. Já numa renda de 400 euros traduz-se num aumento de quatro euros — 48 euros anuais. Caso o inquilino rejeite, tem de responder no prazo de 30 dias. Esta é a atualização mais significativa das rendas desde 2013 (3,36%). Em 2017 foi de 0,54%.

  • Comprar casa no próximo ano vai ser mais caro

Se as rendas podem sofrer o maior aumento desde 2013, comprar casa também não vai ficar mais barato. De acordo com o inquérito realizado pelo Confidencial Imobiliário e o Royal Institution of Chartered Surveyors a proprietários, agentes imobiliários e promotores em Portugal, e divulgado este fim de semana pelo jornal Expresso (acesso pago), no próximo ano, o preço das casas deverá subir em média 5%. Um agravamento que se deve, em parte, ao aumento da procura, sobretudo em regiões como Lisboa, Porto e Algarve onde a procura é claramente superior à oferta, mas também ao aumento da atividade do crédito. Os preços estão a aproximar-se dos valores anteriores à crise.

PUB

Comentários ({{ total }})

Dos transportes ao pão: tudo o que sobe de preço em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião