Empresas recorreram menos a despedimentos coletivos em 2016

  • ECO
  • 20 Março 2017

Num ano em que a taxa de desemprego diminuiu e a taxa de emprego subiu, isso refletiu-se nas empresas que fizeram despedimentos coletivos: foram menos, assim como os trabalhadores dispensados.

Menos despedimentos coletivos e menos trabalhadores dispensados: foi este o retrato de 2016, um ano positivo para a taxa de desemprego e de emprego. Os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, revelados esta segunda-feira pelo Dinheiro Vivo, mostram que houve 421 empresas a utilizarem o despedimento coletivo, dispensando 4712 trabalhadores.

Em comparação com 2015, os números representam uma queda de 22% e 10%. 2016 foi o ano em que menos se utilizou o despedimento coletivo desde 2008.

Foram menos 524 os trabalhadores dispensados por despedimento coletivo em 2016 face a 2015. Ou seja, os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho mostram uma queda dos 5236 para os 4712 trabalhadores dispensados.

O despedimento coletivo em 2016 continuou a ser maioritariamente usado por micro e pequenas empresas. Os 421 processos verificados no âmbito deste mecanismo representam o valor mais baixo desde 2008.

Relativamente a janeiro deste ano, já foram dispensados 295 trabalhadores no âmbito de 34 processos, segundo os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.

PUB

Comentários ({{ total }})

Empresas recorreram menos a despedimentos coletivos em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião