Imparidades custam 5 mil milhões à banca num ano

Foram as imparidades que atiraram a CGD para o pior resultado de sempre. Mas é um fardo que pesa em todo o setor. Ao todo, os bancos assumiram quase cinco mil milhões de perdas no último ano.

Os bancos continuam a debater-se contra o mesmo problema que os assola há alguns anos, especialmente desde a crise financeira: imparidades. Perdas resultantes, essencialmente, de empréstimos que ficaram por pagar, que o setor tem procurado limpar do balanço, mas pagando uma fatura avultada. Só no último ano estas imparidades custaram quase cinco mil milhões de euros, pesando nos resultados do setor. Se o Santander Totta e o BPI conseguiram resistir, o BCP viu os lucros recuarem, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) rebentou a escala… dos prejuízos.

A CGD avisou que iria acelerar o ritmo de reconhecimento de imparidades no âmbito do plano de recapitalização… e cumpriu. Depois de ter fechado os primeiros nove meses com perdas de imparidades de mais de 400 milhões de euros, o banco estatal fechou o ano com uma fatura de mais de três mil milhões de euros. Um montante elevado que se junta aos muitos milhões já assumidos pelos outros grandes bancos portugueses. Ao todo, as imparidades custaram 4,8 mil milhões de euros ao setor no ano passado. Perdas que são sobretudo compostas por créditos em incumprimento, mas não só do último ano. E que têm pesado nos resultados.

No caso da CGD, as imparidades atiraram o banco para o pior resultado de sempre… ainda que abaixo dos dois mil milhões de euros: 1.859.500.000 euros. É um resultado negativo, mas não tanto quanto o que estava previsto no plano de recapitalização (podiam chegar aos três mil milhões), o que permite ao Estado poupar alguns milhões com a injeção de capital que fará na segunda parte do processo de recapitalização já aprovado por Bruxelas.

Mas porquê tantas imparidades? No caso da CGD, a explicação é a necessidade de “limpar” o balanço para preparar o banco para uma nova vida, com capital suficiente para pôr o banco novamente ao serviço da economia nacional. No caso do BCP… parte é culpa do banco estatal. Com o banco público a acelerar o ritmo de registo de perdas, o banco liderado por Nuno Amado não teve outra opção. “Sim, houve um efeito colateral”, disse o gestor. Em causa está o facto de haver empresas com créditos em ambos os bancos, situação que leva a que se um reconheça perdas, o outro tenha de fazer o mesmo. “Temos um nível de imparidades que foi absolutamente excecional”: 1,6 mil milhões de euros (juntamente com as provisões). O Santander Totta e o BPI continuam, também, a “arrumar a casa”. Mas a maioria do trabalho já foi feito.

Imparidades chegam aos cinco mil milhões

Fonte: Bancos | Valores em milhões de euros | Rácios da CGD contam já com o plano de recapitalização e os do BCP com o aumento de capital de 1.330 milhões de euros.

Apesar das imparidades, tanto BCP, como BPI e Santander Totta registaram lucros no ano passado. Mas enquanto o BCP passou de um resultado líquido positivo de 235 milhões para 24 milhões de euros, o mesmo não aconteceu no BPI e no Totta que conseguiram aumentar os lucros. Nem mesmo as imparidades impediram esta melhoria. O Santander Totta registou perdas de imparidades perto de 144 milhões, mas o número tem vindo a cair.

O mesmo acontece no BPI, que conta com o apoio do acionista CaixaBank. As imparidades e provisões têm estado a recuar: se em 2015 foram de quase 160 milhões, em 2016 encolheram para apenas 69,5 milhões. Isto graças a uma “melhoria da qualidade da carteira do banco e da situação económica”, disse o ainda presidente do BPI, Fernando Ulrich. Ao todo, BCP, Santander Totta e BPI tiveram lucros de perto de 700 milhões de euros em 2016. É bom, mas insuficiente para “apagar” o prejuízo de quase dois mil milhões da CGD. Se retirarmos o efeito das imparidades dos resultados líquidos, a banca até teria conseguido resultados positivos.

A CGD, por exemplo, aumentou em 68,7%, para 368,1 milhões de euros os resultados operacionais. Um crescimento do desempenho da atividade que se estendeu aos restantes bancos. E abre boas perspetivas para o setor financeiro nacional, especialmente tendo em conta que reconhecidas as perdas, encontradas soluções de recapitalização, a banca portuguesa está mais bem preparada para voltar ao business as usual. E tentar lucrar com isso. Rui Vilar, presidente não executivo da CGD, está otimista. O gestor diz que o banco liderado por Paulo Macedo tem agora condições para realizar um “futuro diferente e digno da instituição”.

Rui Vilar, presidente não executivo da CGD

Rácios? Repostos

Se há um indicador que tem vindo a dar sinais de melhoria são os rácios de capital dos bancos nacionais. No último retrato feito ao sistema bancário europeu, os bancos portugueses apresentaram maiores fragilidades do que a média dos pares europeus: enquanto a média nacional apontava para um rácio Common Equity Tier 1 (CET 1) de 11,18%, na Europa essa média era mais robusta, de 13,64%. Mas o que é que isto significa na prática? São estes os rácios que as autoridades analisam para aferir a robustez de uma instituição num cenário de adversidade económica. Quanto mais baixo estiver o rácio, mais desprotegido está o banco.

Olhando para os bancos nacionais, há agora uma situação completamente diferente… para melhor. O Santander Totta destaca-se ao apresenta um rácio CET1 (faseado) de 15,7% e um rácio CET1 (totalmente implementado) de 14,9%, o mais elevado do sistema. No BCP, houve um aumento de capital de 1.330 milhões de euros para reforçar os rácios. E o resultado está vista. O banco liderado por Nuno Amado apresenta um rácio CET1 (faseado) de 12,4% e um rácio CET1 (totalmente implementado) de 9,6%. O mesmo acontece na CGD, mas aqui o apoio do Estado é essencial para a manutenção de níveis acima dos 13%. Uma ajuda que ficaria acima dos cinco mil milhões, mas baixou ligeiramente.

Parte desse esforço já foi feito. Agora vem o segundo capítulo que inclui uma injeção de capital através de dinheiro público — que Bruxelas aceita, considerando que não se trata de uma ajuda de Estado — e a emissão de dívida subordinada. Já não serão os 2,7 mil milhões de dinheiro público admitidos no plano pré-negociado ainda por António Domingues: como os prejuízos da CGD foram mais reduzidos, a injeção também o será: entre 2,5 e 2,6 mil milhões de euros. E mesmo os privados já só vão investir 930 milhões de euros, em vez dos mil milhões.

PUB

Comentários ({{ total }})

Imparidades custam 5 mil milhões à banca num ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião