Nem 7%, nem 4%? “Não há taxa mágica” para a DBRS

Escalada dos juros portugueses não preocupa a agência canadiana. Acima de 4%? "Não há um limite mágico nos juros... analisamos centenas de variáveis", responde a DBRS ao ECO.

Com os juros portugueses a disparar no mercado secundário de dívida, a agência canadiana DBRS, que mantém Portugal relativamente bem visto aos olhos dos investidores, não está virada para as oscilações diárias das taxas das obrigações. Juros acima de 4%? “Não há um limite mágico nos juros ou qualquer outro ativo que possa desencadear qualquer ação de rating”, responde Fergus McCormick, economista-chefe da DBRS, ao ECO. “Analisamos centenas de variáveis”, sublinha.

Os juros da dívida portuguesa a 10 anos superaram hoje a fasquia dos 4%. A taxa subiu mais de 10 pontos base para 4,014%, o nível mais elevado desde fevereiro. Era este o nível a partir do qual a agência DBRS tinha assumido como ponto de desconforto em relação a Portugal.

""Não há um limite mágico nos juros ou qualquer outro ativo que possa desencadear qualquer ação de rating. Analisamos centenas de variáveis.”

Fergus McCormick

Economista-chefe da DBRS

Com Portugal a ir exame da DBRS novamente no dia 21 de abril, McCormick adianta que “um aumento gradual dos juros não é suficiente para causar uma pressão descendente nos nossos ratings sobre Portugal”. E justifica esta pressão no mercado com o Banco Central Europeu (BCE): “A desaceleração da flexibilização quantitativa do BCE e a antecipação de uma desaceleração das compras líquidas de ativos do BCE estão a causar algumas deslocações nos mercados obrigacionistas europeus, incluindo em Portugal. Isto é esperado“, explica o economista.

Os juros sobem esta quinta-feira na generalidade dos prazos, numa altura em que o mercado está a antecipar um leilão de dívida nos próximos dias, uma expectativa alimentada pelo histórico recente do Tesouro português: desde 2014 que o IGCP tem realizado leilões de obrigações no arranque de cada ano. No caso das obrigações a cinco anos, a yield avançava mais de sete pontos base para 1,957%.

Além da previsão de maior oferta de obrigações no mercado, que comporta um cenário de desvalorização dos títulos, os juros da dívida na Zona Euro têm estado em forte alta sobretudo depois de a inflação na região ter superado as estimativas dos analistas. Em dezembro, o índice de preços no consumidor ficou nos 1,1%, o que indica uma aceleração acentuada dos preços face ao mês anterior (taxa de inflação era de 0,6%), uma evolução explicada em grande parte com os preços petrolíferos.

Comentários ({{ total }})

Nem 7%, nem 4%? “Não há taxa mágica” para a DBRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião