PSI-20 diz adeus a 2016 na linha de água

A bolsa nacional deve ter uma sessão calma, com poucos investidores e notícias de relevo. O PSI-20 abriu ligeiramente abaixo da linha de água, naquela que é a última sessão do ano. Energia pressiona.

A última sessão do ano traz perdas, mas poucas, à bolsa nacional. O PSI-20 abriu ligeiramente abaixo da linha de água, num dia que deve ser novamente marcado pela fraca liquidez, uma vez que os investidores fizeram uma pausa para receberem o ano novo. Destaque negativo para as perdas no setor energético e no retalho.

O PSI-20 descia 0,04% para 4.666,42 pontos, numa sessão que deve contar com poucos catalisadores a influenciar o mercado e com a ausência dos investidores. “O mercado nacional deverá comportar-se de forma semelhante à dos seus pares europeus”, refere o BPI, no Diário de Bolsa. Na Europa, as bolsas pintam-se de vermelho, naquela que é a última sessão do ano.

Por cá, o índice de referência é novamente pressionado pelo grupo EDP. A casa-mãe recua 0,48%, ao passo que a EDP Renováveis cede apenas 0,07%. A Galp Energia contraria este sentimento negativo, subindo 0,18% para 14,23 euros, num dia de ganhos para os preços do petróleo. No retalho, a Jerónimo Martins é umas cotadas que mantém o índice no vermelho, recuando 0,28%.

Do outro lado da balança, destaque para o setor financeiro. O BCP dá continuidade à sua recuperação, depois de as ações terem tocado o mínimo histórico de 1,02 euros. Hoje, os títulos do banco liderado por Nuno Amado sobem 0,10% para 1,0410 euros.

Hoje, a bolsa nacional manterá o horário de funcionamento habitual, mas o mesmo não vai acontecer em Frankfurt e Londres, que vão encerrar mais cedo (13h e 12h35, respetivamente). O mercado obrigacionista norte-americano também encerra mais cedo do que o habitual (às 19h00, hora de Lisboa).

Comentários ({{ total }})

PSI-20 diz adeus a 2016 na linha de água

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião